Modelo de metano promete detetar vida extraterrestre

Uma equipa de cientistas da University College, de Londres, criou um novo modelo muito poderoso e capaz de identificar formas de vida em planetas fora do sistema solar.

Centrando-se na existência de metano, a mais simples das moléculas orgânicas, o modelo permitirá detetar a molécula a temperaturas muito superiores às que existem na Terra, o que até agora era impossível.

Para descobrir de que é feito um planeta, os astrónomos poderão analisar a forma como a atmosfera de um determinado planeta absorve diferentes cores de luz e comparar depois os dados obtidos com o modelo, um novo espectro, que identifica a natureza das diferentes moléculas presentes.

Jonatjan Tennyson, um dos autores do estudo, revelou ao ABC que os modelos já existentes de metano estão incompletos, o que põe em causa todas as medições já desenvolvidas em alguns planetas. E assegura que o "novo modelo terá um grande impacto no futuro para o estudo dos planetas e estrelas fora do Sistema Solar, o que ajudará os cientistas a identificar possíveis sinais de vida extraterrestre".

O novo modelo já foi testado e está pronto para a ser utilizado. Os seus criadores garantem que, num futuro próximo, trará novidades e surpresas nos estudos científicos que procuram outras formas de vida espalhadas pela galáxia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.