Modelo de metano promete detetar vida extraterrestre

Uma equipa de cientistas da University College, de Londres, criou um novo modelo muito poderoso e capaz de identificar formas de vida em planetas fora do sistema solar.

Centrando-se na existência de metano, a mais simples das moléculas orgânicas, o modelo permitirá detetar a molécula a temperaturas muito superiores às que existem na Terra, o que até agora era impossível.

Para descobrir de que é feito um planeta, os astrónomos poderão analisar a forma como a atmosfera de um determinado planeta absorve diferentes cores de luz e comparar depois os dados obtidos com o modelo, um novo espectro, que identifica a natureza das diferentes moléculas presentes.

Jonatjan Tennyson, um dos autores do estudo, revelou ao ABC que os modelos já existentes de metano estão incompletos, o que põe em causa todas as medições já desenvolvidas em alguns planetas. E assegura que o "novo modelo terá um grande impacto no futuro para o estudo dos planetas e estrelas fora do Sistema Solar, o que ajudará os cientistas a identificar possíveis sinais de vida extraterrestre".

O novo modelo já foi testado e está pronto para a ser utilizado. Os seus criadores garantem que, num futuro próximo, trará novidades e surpresas nos estudos científicos que procuram outras formas de vida espalhadas pela galáxia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.