Modelo de metano promete detetar vida extraterrestre

Uma equipa de cientistas da University College, de Londres, criou um novo modelo muito poderoso e capaz de identificar formas de vida em planetas fora do sistema solar.

Centrando-se na existência de metano, a mais simples das moléculas orgânicas, o modelo permitirá detetar a molécula a temperaturas muito superiores às que existem na Terra, o que até agora era impossível.

Para descobrir de que é feito um planeta, os astrónomos poderão analisar a forma como a atmosfera de um determinado planeta absorve diferentes cores de luz e comparar depois os dados obtidos com o modelo, um novo espectro, que identifica a natureza das diferentes moléculas presentes.

Jonatjan Tennyson, um dos autores do estudo, revelou ao ABC que os modelos já existentes de metano estão incompletos, o que põe em causa todas as medições já desenvolvidas em alguns planetas. E assegura que o "novo modelo terá um grande impacto no futuro para o estudo dos planetas e estrelas fora do Sistema Solar, o que ajudará os cientistas a identificar possíveis sinais de vida extraterrestre".

O novo modelo já foi testado e está pronto para a ser utilizado. Os seus criadores garantem que, num futuro próximo, trará novidades e surpresas nos estudos científicos que procuram outras formas de vida espalhadas pela galáxia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.