Já havia drogas e álcool no Neolítico

Investigadora espanhola identificou sinais de canábis e cerveja em recipientes milenares associados com rituais fúnebres

Bebidas alcoólicas e drogas leves estão muito associadas ao prazer nas sociedades modernas: "beber uns copos" ou "fumar umas passas" tende a ser aceite, e até encorajado, por promover a coesão nos grupos. Mas esta é uma visão muito contemporânea - e não isenta de riscos. Nas sociedades humanas pré-históricas, há milhares de anos, beber álcool e fumar opioides estava ligado a rituais fúnebres e sagrados.Essa é a tese da arqueóloga espanhola Elisa Guerra-Doce, da Universidade da Valladolid, que acaba de publicar um estudo no Journal of Achaeological Method and Theory, a partir de achados em Espanha, na Roménia e Itália.

Leia mais pormenores no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.