Glaciar de Pine Island está a derreter irreversivelmente

O glaciar de Pine Island, na Antártida, um dos maiores contributos para a subida do nível do mar, está a derreter irreversivelmente, podendo aumentar até um centímetro as águas dos oceanos nos próximos 20 anos, revela hoje um estudo. Localizado a oeste do continente branco, o glaciar é responsável por 20 por cento da perda total de gelo na Antártida ocidental.

Segundo uma equipa internacional de investigadores, citada pela revista Nature Climate Change, o glaciar Pine Island, que cedeu uma dezena de quilómetros desde 2000, está a diminuir a um ritmo cada vez mais rápido, desde há 40 anos, e vai "continuar irreversivelmente o seu declínio".

Para antever a evolução do glaciar, cientistas do Laboratório de Glaciologia e Geofísica do Ambiente de Grenoble, em França, basearam-se em três modelos de simulação do fluxo de gelo e chegaram à conclusão de que a perda de gelo poderá continuar numa extensão de 40 quilómetros nos próximos 50 anos.

Há duas décadas que a região oeste da Antártida contribui, de maneira significativa, para a elevação do nível do mar, contrariamente à região este, que mantém-se em equilíbrio, na medida em que a quantidade de gelo perdida é igual à quantidade de neve que alimenta os glaciares.

A contribuição de um glaciar para o aumento do nível dos oceanos deve-se à parte do gelo que flutua nas águas, e que se derrete ou se desmembra, dando origem, neste último caso, a um icebergue.

Ora, de acordo com os investigadores, com o aquecimento global, o limite que separa a parte do gelo continental da parte flutuante no mar não para de diminuir, aumentando a massa de gelo que flutua no mar, o que leva à subida dos oceanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.