Glaciar de Pine Island está a derreter irreversivelmente

O glaciar de Pine Island, na Antártida, um dos maiores contributos para a subida do nível do mar, está a derreter irreversivelmente, podendo aumentar até um centímetro as águas dos oceanos nos próximos 20 anos, revela hoje um estudo. Localizado a oeste do continente branco, o glaciar é responsável por 20 por cento da perda total de gelo na Antártida ocidental.

Segundo uma equipa internacional de investigadores, citada pela revista Nature Climate Change, o glaciar Pine Island, que cedeu uma dezena de quilómetros desde 2000, está a diminuir a um ritmo cada vez mais rápido, desde há 40 anos, e vai "continuar irreversivelmente o seu declínio".

Para antever a evolução do glaciar, cientistas do Laboratório de Glaciologia e Geofísica do Ambiente de Grenoble, em França, basearam-se em três modelos de simulação do fluxo de gelo e chegaram à conclusão de que a perda de gelo poderá continuar numa extensão de 40 quilómetros nos próximos 50 anos.

Há duas décadas que a região oeste da Antártida contribui, de maneira significativa, para a elevação do nível do mar, contrariamente à região este, que mantém-se em equilíbrio, na medida em que a quantidade de gelo perdida é igual à quantidade de neve que alimenta os glaciares.

A contribuição de um glaciar para o aumento do nível dos oceanos deve-se à parte do gelo que flutua nas águas, e que se derrete ou se desmembra, dando origem, neste último caso, a um icebergue.

Ora, de acordo com os investigadores, com o aquecimento global, o limite que separa a parte do gelo continental da parte flutuante no mar não para de diminuir, aumentando a massa de gelo que flutua no mar, o que leva à subida dos oceanos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.