Gaia, a sonda europeia mais complexa chega ao destino

A sonda espacial Gaia, o mais complexo telescópio construído na Europa, chegou ao chamado ponto "L2", a 1,5 milhões de quilómetros da Terra, de onde capturará imagens para cartografar a Via Láctea em três dimensões.

O engenho da Agência Espacial Europeia (ESA) está em viagem desde 19 de dezembro, quando foi lançado num foguetão russo Soyuz do Centro Espacial Europeu de Kuru, na Guiana Francesa.

A Gaia, que deverá permitir desenhar um mapa de mil milhões de estrelas, fez hoje uma "manobra crítica" para colocar-se num dos pontos de Lagrange, os lugares do sistema solar onde um objeto pode manter-se em órbita estacionária em relação à Terra e ao Sol, informou a ESA em comunicado.

A sonda ainda efetuará uma manobra de correção na próxima semana e nos próximos meses começará a enviar informação para a Terra para comprovar que todos os seus aparelhos funcionam corretamente.

Superada essa fase, a sonda começará a sua missão de cinco anos, na qual analisará até 70 vezes cada uma das mil milhões de estrelas, recolhendo informação sobre a sua posição, temperatura, luminosidade, composição e distância face à Terra.

No total, a Gaia analisará um por cento das estrelas da nossa galáxia e permitirá realizar um primeiro catálogo provisório dentro de dois anos, embora os cientistas tenham de esperar cerca de uma década para dispor de um atlas definitivo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.