Estudante sueco cria Bandeira Internacional do Planeta Terra para hastear noutros mundos

Vários anéis entrelaçados sobre um fundo azul. É esta a representação das várias nações da Terra que Oskar Pernefeldt propõe para a humanidade levar na conquista espacial.

Um estudante universitário sueco criou uma "Bandeira Internacional do Planeta Terra" que poderá ser levada por astronautas numa futura missão a Marte, ou a outros planetas, ou até em missões internacionais regiões como o Antártico.

O projeto para o curso de Belas Artes de Oskar Pernefeldt, da Universidade de Design Beckmans de Estocolmo, visa demonstrar que a humanidade partilha o mesmo planeta, independentemente da sua nação ou cultura, e está a ganhar apoios nas redes sociais.

No vídeo em cima, Pernefeldt descreve como chegou ao design definitivo.

"As atuais expedições espaciais utilizam diferentes bandeiras nacionais, dependendo do país que tenha financiado a viagem. Os astronautas, no entanto, são mais do que representantes do seu país. São representantes do planeta Terra", escreve Pernefeldt no seu site.

A bandeira proposta entrelaça sete anéis brancos sobre um fundo azul. Os anéis formam uma flor, "símbolo de vida na Terra". Estão "ligados uns aos outros, numa representação de como tudo no nosso planeta, direta ou indiretamente, está relacionado", lê-se ainda na explicação.

A bandeira desenhada por Oskar Pernefeldt.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.