Estudante sueco cria Bandeira Internacional do Planeta Terra para hastear noutros mundos

Vários anéis entrelaçados sobre um fundo azul. É esta a representação das várias nações da Terra que Oskar Pernefeldt propõe para a humanidade levar na conquista espacial.

Um estudante universitário sueco criou uma "Bandeira Internacional do Planeta Terra" que poderá ser levada por astronautas numa futura missão a Marte, ou a outros planetas, ou até em missões internacionais regiões como o Antártico.

O projeto para o curso de Belas Artes de Oskar Pernefeldt, da Universidade de Design Beckmans de Estocolmo, visa demonstrar que a humanidade partilha o mesmo planeta, independentemente da sua nação ou cultura, e está a ganhar apoios nas redes sociais.

No vídeo em cima, Pernefeldt descreve como chegou ao design definitivo.

"As atuais expedições espaciais utilizam diferentes bandeiras nacionais, dependendo do país que tenha financiado a viagem. Os astronautas, no entanto, são mais do que representantes do seu país. São representantes do planeta Terra", escreve Pernefeldt no seu site.

A bandeira proposta entrelaça sete anéis brancos sobre um fundo azul. Os anéis formam uma flor, "símbolo de vida na Terra". Estão "ligados uns aos outros, numa representação de como tudo no nosso planeta, direta ou indiretamente, está relacionado", lê-se ainda na explicação.

A bandeira desenhada por Oskar Pernefeldt.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.