Desacordo na cimeira de Lima põe "em risco" pacto global em defesa da Terra

As palavras do enviado especial da Administração de Obama foram ouvidas depois de ter visto mais de duas dezenas de países a recusarem o último texto.

A paralisação das negociações na Cimeira das Alterações Climáticas de Lima poderá pôr "em risco" um pacto global em defesa da Terra, alertou hoje o representante norte-americano.

As palavras do enviado especial da Administração de Obama, Todd Stern, foram ouvidas depois de ter visto mais de duas dezenas de países a recusarem o último texto.

O encontro em Lima, Peru, deveria ter terminado na sexta-feira, com os representantes dos 190 países presentes na cimeira a desenharem um esboço para um novo acordo, que irá substituir o Protocolo de Quioto.

No entanto, a falta de consenso obrigou a que os trabalhos fossem prolongados para o dia de hoje, numa tentativa de acertar os termos do esboço para um novo acordo que deverá ser celebrado dentro de um ano em Paris. "Tudo o que alcançámos até agora estará em risco e tudo o que esperamos vir a alcançar também ficará em risco", alertou Todd Stern.

A presidência peruana apresentou por volta das três da manhã um texto de cinco páginas que os negociadores discutiram até ao meio dia de hoje, altura em que recomeçou um novo plenário para que os países pudessem manifestar a sua posição: a maioria mostrou-se em desacordo.

O norte-americano Todd Stern, que foi um dos últimos a intervir no plenário, fez um apelo: "A Convenção das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas está em jogo, estamos em risco de perder a confiança dos cidadãos... Por favor, unam-se num consenso que nos leve a adotar um texto que facilite o caminho até Paris".

"Tenho a certeza de que iremos viver para nos arrepender se deixarmos o perfeito ser inimigo do bom, aqui em Lima", concluiu. Minutos depois foi a vez do presidente da cimeira falar: Manuel Pulgar Vidal alertou para o facto de os delegados presentes nas negociações estarem a "pisar a linha vermelha".

A sua última tentativa para "salvar o planeta", disse Manuel Vidal, será fazer algumas alterações ao texto e consultar durante dez minutos cada uma das partes presentes nas negociações para tentar alcançar um acordo ainda esta noite.

Os representantes estão reunidos em Lima desde o dia 01 de dezembro para desenhar a fórmula que será usada pelos países durante 25 anos para proteger a Terra do aquecimento global.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.