Campanha para restaurar múmia encontrada no lixo

A Fundação do Património francês lançou uma campanha de angariação de fundos para conseguir os 15 mil euros para a urgente reparação de uma múmia encontrado no lixo em França, no ano 200.

A restauração da múmia tem um custo de 15 450 euros, a maior parte suportada pelo governo (9000 euros). O restante montante deverá ser financiado pela população, impulsionada pela Fundação do Património francês.

"É a primeira vez que abrimos uma subscrição para uma múmia. Não tenho dúvidas do seu sucesso por ser um objeto com uma história tão curiosa," disse Marie Tozer, gerente de projetos da Fundação do Património, citada pelo diário espanhol ABC.

A história de como a múmia foi parar a um lixo nos arredores de Paris é de facto curiosa. Os restos mortais pertencem a uma menina egípcia de quatro anos, embalsamados há mais de 2000 anos.

Uma das hipóteses, como conta o diário ABC, é de que a múmia poderá ter sido levada para França, em 1857, pelo general Noel Varin-Bey, um antigo oficial do exército de Napoleão no Egito.

"Vi imediamente que o objeto era extraordinário. Avisei o museu da cidade e as reações foram de descrença, de prudência e de sentido prático (aconselharam-me a colocar o achado no eBay)", disse Jean-Louis Parichon, um dos presentes quando uma mulher anónima entregou a múmia na esquadra local, citado pela mesma fonte.

Se o restauro avançar, a múmia será colocada numa sala específica do museu de Rueil-Malmaison, nos arredores de Paris, no final do próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.