Campanha para restaurar múmia encontrada no lixo

A Fundação do Património francês lançou uma campanha de angariação de fundos para conseguir os 15 mil euros para a urgente reparação de uma múmia encontrado no lixo em França, no ano 200.

A restauração da múmia tem um custo de 15 450 euros, a maior parte suportada pelo governo (9000 euros). O restante montante deverá ser financiado pela população, impulsionada pela Fundação do Património francês.

"É a primeira vez que abrimos uma subscrição para uma múmia. Não tenho dúvidas do seu sucesso por ser um objeto com uma história tão curiosa," disse Marie Tozer, gerente de projetos da Fundação do Património, citada pelo diário espanhol ABC.

A história de como a múmia foi parar a um lixo nos arredores de Paris é de facto curiosa. Os restos mortais pertencem a uma menina egípcia de quatro anos, embalsamados há mais de 2000 anos.

Uma das hipóteses, como conta o diário ABC, é de que a múmia poderá ter sido levada para França, em 1857, pelo general Noel Varin-Bey, um antigo oficial do exército de Napoleão no Egito.

"Vi imediamente que o objeto era extraordinário. Avisei o museu da cidade e as reações foram de descrença, de prudência e de sentido prático (aconselharam-me a colocar o achado no eBay)", disse Jean-Louis Parichon, um dos presentes quando uma mulher anónima entregou a múmia na esquadra local, citado pela mesma fonte.

Se o restauro avançar, a múmia será colocada numa sala específica do museu de Rueil-Malmaison, nos arredores de Paris, no final do próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.