Câmara do Fundão comparticipa com 300 mil euros Centro de Biotecnologia de Plantas

A Câmara do Fundão vai assegurar a componente de autofinanciamento para a criação do Centro de Biotecnologia de Plantas da Beira Interior, projeto considerado "estratégico" para toda a região, disse hoje o presidente do município, Paulo Fernandes.

"Achamos que cada vez mais os municípios têm de se afirmar em termos da criação de valor acrescentado, designadamente através das componentes da investigação e inovação. Como tal, o município do Fundão posiciona-se como investidor naquilo que considera que poderá ser um projeto estratégico para toda a região", disse o autarca à agência Lusa.

A Câmara vai assegurar um total de 300 mil euros.

O Centro de Biotecnologia de Plantas da Beira Interior, que terá a componente experimental no concelho do Fundão, deve desenvolver investigação aplicada na produção de plantas com valor energético, nomeadamente na vertente frutícola, uma das principais fileiras de atividade na região.

Paulo Fernandes considerou que este centro será uma "mais-valia" para os produtores da região, já que a futura estrutura deverá encontrar soluções que permitam melhorar as plantas para que se possam "produzir mais e melhores frutos".

"Sendo esta uma região excecional em termos agrícolas e frutícolas, era absolutamente vital que tivéssemos um centro de investigação de biotecnologia que pudesse dar respostas aos nossos produtores", sublinhou o autarca.

O projeto, que também engloba a área da biomassa e das plantas aromáticas e medicinais, deverá avançar através de uma candidatura que foi apresentada em parceria com o Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) e com a Universidade da Beira Interior, instituições que assinaram na terça-feira um protocolo de cooperação para esse fim.

O resultado da candidatura, num valor global superior a dois milhões de euros cofinanciado em 85%, deverá ser conhecido em fevereiro. Caso a mesma seja aprovada, o Centro de Biotecnologia da Beira Interior avançará "imediatamente".

A componente laboratorial será desenvolvida na Escola Agrária do IPCB e a componente experimental ficará instalada no parque agroalimentar da Soalheira (Fundão).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.