Cães detetam cancro do pulmão através do faro

Os cães têm a capacidade de detetar casos de cancro do pulmão através do faro, segundo um estudo piloto realizado na Áustria hoje divulgado.

"Os cães não têm qualquer problema em identificar os doentes que sofrem de tumores" cancerígenos, indicou Peter Errhalt, chefe do Departamento de Pneumologia do hospital de Krems (nordeste da Áustria) e um dos autores do estudo.

Durante um período de testes, cães cheiraram 120 amostras de hálito provenientes de doentes e de pessoas saudáveis. Os animais conseguiram identificar com uma taxa de 70 por cento de sucesso os doentes diagnosticados com cancro de pulmão.

O resultado do estudo piloto foi "encorajador" e vai originar o lançamento de uma investigação mais alargada, com a análise de amostras de 1.200 pessoas, afirmou Peter Errhalt, durante uma conferência de imprensa, acrescentando que o novo estudo deverá durar dois anos.

Os resultados hoje divulgados vão ao encontro de outros testes realizados nos Estados Unidos e na Alemanha.

O objetivo final da investigação é determinar quais são os odores que os cães detetam, explicou Michael Muller, do hospital Otto Wagner em Viena, que também colaborou no estudo.

Esta investigação poderá originar, a longo prazo, a criação de uma espécie de "nariz eletrónico" que ajude a diagnosticar casos de cancro do pulmão num estado precoce, aumentado desta forma as hipóteses de sobrevivência dos doentes, sublinhou Michael Muller.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.