Animais mumificados no Lago Natron

As águas alcalinas do lago salgado, situado no norte da Tanzânia, conserva quase intactos os corpos dos animais que nele caem.

O fotógrafo britânico Nick Brandt registou alguns destes animais, maioritariamente aves, num livro intitulado Across the Ravaged Land ("Pela Terra Devastada"), em que os coloca em poses realistas de modo a trazer-lhes de volta alguma vida.

Na temporada das secas, a água do lago evapora-se, revelando os corpos preservados naturalmente dos animais. Este processo de mumificação deve-se à alta concentração de minerais que tornam a água do Natron extremamente alcalina, com um pH entre 9 e 10,5 em algumas áreas.

Muitas destas aves caem ao lago devido ao seu reflexo de luz, que confunde os animais. Tal como os pássaros colidem com janelas, estes caem no lago e morrem. Outra curiosidade do lago Natron é a sua cor avermelhada, causada pelo número elevado de cianobactérias, responsáveis também pela cor dos flamingos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.