Anatomia de criatura antiga é reinterpretada

Cientistas fazem novas interpretações sobre anatomia de estranha criatura marinha com tentáculos que viveu há 520 milhões de anos.

Uma equipa internacional de investigadores fez novas observações sobre uma criatura marinha do período Cambriano, Cotyledion tylodes, que viveu há 520 milhões de anos.

Os especialistas encaixavam-na no grupo das águas-vivas, os cnidários. Entretanto, as novas observações anatómicas dos seus fósseis sugerem que a espécie foi um dos primeiros pertencentes aos entoproctas, grupo de pequenas criaturas marinhas. O estudo foi publicado ontem na Scientific Reports.

Com a nova interpretação, sugere-se que o grupo dos entoproctas apareceu antes do que se imaginava. O fóssil mais antigo pertencente a esse grupo, até agora, era datado do período Jurássico (entre 205 e 142 milhões de anos atrás). No entanto, a reinterpretação do Cotyledion tylodes coloca o grupo no início do período Cambriano (entre 545 e 495 milhões de anos atrás).

Os especialistas observaram que algumas características do Cotyledion tylodes se assemelham aos entoproctas modernos, especialmente a presença de um intestino em forma de 'U', com boca e ânus rodeados por uma coroa de tentáculos.

Os cientistas analisaram centenas de fósseis de Cotyledion tylodes preservados no sítio arqueológico de Chengjiang, na província de Yunnan, na China. "Esta é a primeira vez que se confirma que o Cotyledion tylodes teve um intestino em forma de 'U' acomodados na cavidade em formato de cálice", disse à BBC Zhifei Zhang, um dos pesquisadores que trabalhou no estudo.

Cotyledion tylodes era maior do que os entoproctas existentes, medindo entre oito e 56 milímetros de altura. Seu corpo estava coberto por estruturas endurecidas externas, chamadas escleritos, que não são encontrados em entoproctas modernos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.