Malcata já tem quase 500 hectares para coelho crescer e alimentar a espécie

 A Reserva Natural da Serra da Malcata deverá chegar ao fim de 2009 com perto de 500 hectares de terreno adaptado para a população de coelho bravo crescer e vir a alimentar o lince ibérico, disse o responsável pela área.

Lusa

No terreno, já é visível "um crescimento dos núcleos existentes", mas ainda é cedo para dizer quando haverá coelho de forma sustentável para o lince regressar, referiu Armando Carvalho, em declarações à agência Lusa.

"A natureza leva o seu tempo", referiu o responsável, precisando que foram precisos três anos de trabalho nos quase 500 hectares de ambiente florestal recortado aqui e ali para os matos secos darem lugar a espécies herbáceas que os coelhos possam comer.

A Serra da Malcata era um dos habitats do lince ibérico, como o demonstra a marca Terras do Lince, que serve de chapéu a diversos produtos e actividades da Câmara Municipal de Penamacor, concelho que guarda "muita simpatia" pela espécie em risco de extinção, realça Armando Carvalho.

O Centro Nacional de Reprodução em Cativeiro de Silves recebe esta semana os primeiros linces ibéricos, ao abrigo de um protocolo com Espanha.

O objectivo é que a espécie se reproduza e seja depois reintroduzida em habitats naturais.

Enquanto em Silves todos os olhos se viram para os linces, na Malcata a atenção ainda está centrada no seu principal alimento: o coelho bravo. Cuida-se de pontos de água e instalam-se moroiços (estruturas de abrigo e reprodução) para que nade falta aos coelhos bravos e suas crias.

A Reserva Natural da Serra da Malcata tem 6000 hectares, 5000 dos quais estão sob gestão do Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB). "Até final do ano estimamos que um décimo da área tenha sido intervencionada, num trabalho com duas frentes: criar condições para o coelho bravo crescer e minimizar o risco de incêndios florestais", explicou Armando Carvalho.

"Esta já será uma área muito significativa para podermos obter alguns resultados", algo que só a monitorização do coelho bravo o dirá. "Se não tiverem predadores, muito provavelmente vamos ter um incremento e depois logo veremos quais os passos a dar", sublinha o responsável.

"A natureza tem as suas próprias regras e nós aprendemos fazendo. Temos ainda algum tempo para avaliar os resultados do nosso trabalho", realça o também director do Departamento de Gestão de Áreas Classificadas do Centro e Alto Alentejo do ICNB.

Armando Carvalho aprecia o interesse da população e dos municípios no regresso do lince. "Estas batalhas não se ganham só no número de hectares intervencionados, mas também na capacidade de captar outras entidades e os residentes. A espécie tornou-se simpática e isso motiva outra maneira de estar", reconhece.