Hoje é dia o D para o cometa Ison

Oriundo das fronteiras do sistema solar, o cometa faz hoje a sua maior aproximação ao Sol, que pode também ser a última

Vindo dos confins do sistema solar, o cometa Ison tem hoje a sua prova de fogo quando passar a rasar o Sol, a uma distância "mínima" de pouco mais de um milhão de quilómetros. Se as altíssimas temperaturas e a força gravitacional do Sol não o desfizerem em pedaços, o Ison tornar-se-á visível a olho nu nos céus do hemisfério Norte, a partir de 3 de dezembro. A ser assim, os astrónomos preveem, então, que ele vai proporcionar um espetáculo celeste notável por alturas do Natal.

Para já, todos os olhares estão hoje postos na caminhada do Ison, na sua aproximação ao Sol, e a expetativa é enorme. Sobre o desfecho deste encontro cósmico imediato, quase se fazem se apostas e, embora nenhum astrónomo se comprometa com antevisões definitivas, a maioria parece, mesmo assim, pender para as visões mais catastróficas, do ponto de vista do cometa.

VEJA MAIS PORMENORES NA EDIÇÃO E-PAPER DO DN:

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG