Genoma de neandertal mostra cruzamento com 'Homo sapiens'

 Investigadores publicam hoje na Science  primeira versão   do genoma do primo mais próximo, e já extinto, do homem moderno

O genoma do neandertal, uma espécie de homem que se extinguiu há 30 mil anos, tem três mil milhões de letras do alfabeto genético: o grupo ATCG que constitui a cadeia de ADN. Mas a leitura desse imenso "livro" genético acaba de ser concluída. O genoma completo do homem de Neandertal, publicado hoje na Science, põe um ponto final no debate sobre se neandertais e Homo sapiens se reproduziram em comum. A resposta é sim. Houve cruzamento entre ambos, e isso terá ocorrido entre há 50 mil e 80 mil anos, no Médio Oriente.

A equipa internacional de investigadores que produziu este primeiro retrato genético dos neandertal foi coordenada por Svante Paabo, do Instituto Max Planck, em Leipzig (Alemanha), e utilizou amostras de ossos de três espécimes do sexo feminino que viveram há entre 38 mil e 44 mil anos. Esses fósseis foram encontrados na gruta de Vindiglia, na Croácia.

"Ter uma primeira versão do genoma dos neandertais é cumprir um sonho antigo", afirmou o líder da equipa, Svante Paabo, notando que, "agora, pela primeira vez, podemos identificar padrões genéticos que nos diferenciam desse parente próximo".

Este primo, que é o mais próximo do Homo sapiens, surgiu há cerca de 400 mil anos em África e migrou para norte, para a Eurásia, onde evoluiu independentemente do Homo sapiens, na Ásia Ocidental, Sul da Sibéria, Médio Oriente ou Península Ibérica.

O sapiens emergiu também em África, há cerca de 270 mil anos, e há 80 mil anos pôs--se, também ele, a caminho do norte, em direcção à Eurásia. O encontro entre ambas as espécies dá-se a partir daí e é isso que mostra a comparação entre o genoma do neandertal e do homem moderno.

Para poderem avaliar diferenças e semelhanças entre ambos e compreender a sua evolução, os investigadores compararam o genoma de neandertal com o de cinco seres humanos modernos: um do Sul de África, outro da África Ocidental, um da Europa Ocidental, outro da China e ainda um da Papuásia-Nova Guiné.

Os resultados mostram que o cruzamento sexual entre as duas espécies deverá ter ocorrido na região do Médio Oriente, há entre 50 mil e 80 mil anos, provavelmente logo após os homens modernos terem saído de África. Nos homens modernos não africanos, dois por cento dos genes provêem dos neandertais. O facto de isso não se verificar nos genomas dos africanos estudados reforça a hipótese de o cruzamento entre ambas as espécies ter ocorrido já fora da África.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG