Estudo da doença de Alzheimer em 3D ganha prémio de investigação

Projeto liderado pela investigadora Cláudia Almeida propõe-se validar um novo modelo experimental para estudar esta patologia.

Um projeto para estudar os mecanismos da doença de Alzheimer em laboratório, usando culturas de neurónios humanos em 3D, que pretende criar também um modelo experimental da doença na sua forma tardia, valeu à investigadora Cláudia Almeida, da Faculdade de Ciências Médicas, da Universidade Nova de Lisboa (UNL), o Prémio de Investigação Santander Totta/UNL.

No valor de 25 mil euros, o prémio, que será entregue à vencedora no dia 22 de abril, no auditório da reitoria daquela universidade, vai permitir iniciar o projeto.

"Com esta verba, e com o trabalho que ela vai permitir realizar, esperamos obter até final do ano os resultados preliminares necessários para validar o nosso modelo experimental", adiantou ao DN Cláudia Almeida.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG