E se a nossa galáxia for um túnel através do espaço-tempo? Cientistas mostram que é possível

Um grupo de cientistas provou que, em teoria, a Via Láctea poderá conter um 'wormhole', como o do filme 'Interstellar'. "Mas fizemo-lo muito antes de o filme sair", sublinha um dos autores do estudo.

Um grupo de cientistas italianos, indianos e norte-americanos mostrou num estudo que é possível que a nossa galáxia contenha um túnel que permite viajar através do tempo e do espaço, tal como no filme Interstellar.

"Obviamente não estamos a dizer que a nossa galáxia é de certeza um wormhole, mas simplesmente que, de acordo com os modelos teóricos, a hipótese é uma possibilidade", contou um dos responsáveis pelo estudo, Paolo Salucci, num comunicado da SISSA (Escola Internacional para Estudos Avançados), em Trieste, Itália.

O estudo, publicado na revista científica Annals of Physics, confirma que é possível que existam túneis deste género, chamados wormholes, "na maioria das galáxias espirais", como é o caso da nossa, a Via Láctea. Wormhole é a palavra inglesa usada para descrever uma espécie de túnel através do espaço e do tempo, através do qual seria possível viajar para surgir noutro lugar e noutra altura no Universo. Trata-se de um conceito hipotético que existe na física há muito tempo, mas que recentemente tem tido mais destaque graças ao filme Interstellar.

"O que tentámos fazer no nosso estudo foi resolver a mesma equação em que trabalha a astrofísica do filme, Murph," conta Paolo Salucci. "Mas fizemo-lo muito antes do filme sair. É um problema muito interessante para o estudo da matéria escura".

Salucci explica que os cientistas obtiveram os seus resultados combinando um mapa muito detalhado da distribuição da matéria escura na Via Láctea, que a SISSA obteve num estudo realizado em 2013, com o mais recente modelo do Big Bang que explica a origem do Universo. "O resultado que obtemos é que a nossa galáxia poderia realmente conter um destes túneis, e que o túnel poderia ser do tamanho da própria galáxia. Mas há mais ainda", explica o autor. "Poderíamos mesmo viajar por este túnel, visto que, pelos nossos cálculos, seria navegável".

O mais importante da hipótese desenvolvida por este grupo de cientistas, porém, é que representa uma reflexão complexa acerca da natureza da matéria escura, diz Salucci.

A matéria escura é um dos mistérios da cosmologia atual. A matéria visível no cosmos representa menos de 10% de toda a matéria existente no universo. Os restantes 90% são compostos por matéria invisível - daí ser chamada "escura" -, cuja composição exata é desconhecida, bem como a chamada "energia escura", que está distribuída por todo o espaço e tende a acelerar a expansão do Universo.

Para testar a hipótese de Paolo Salucci de forma experimental, seria preciso comparar duas galáxias. O mais fácil seria comparar a Via Láctea com a Nuvem de Magalhães, que orbita em torno dela. No entanto, Salucci sublinha que "ainda estamos muito longe de qualquer possibilidade real de fazer uma comparação dessas".

Além de Paolo Salucci, que falou para o comunicado da SISSA, o autor principal do estudo é Farook Rahaman, da Universidade de Jadavpur, na Índia.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG