Menos emissões passa por comer menos carne

Com as previsões da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação a indicarem que em 30 anos a produção de leite e carne vai aumentar, a solução passa por evitar que isto aconteça: "É preciso diminuir o consumo de carne no mundo", afirma Cristina Rodrigues, responsável pela associação Centro Vegetariano, que promove estilos de vida saudáveis.

E apresenta dados ao explicar o seu ponto de vista: para produzir um quilo de cereais são necessários 1500 litros de água. Para produzir um quilo de carne gastam-se 15 mil litros e 990 litros para um litro de leite.

Isto num planeta onde se prevê que, em 2050, 46% da população tenha problemas no acesso a água potável. "Dois terços do solo mundial estão ocupados com pastagens, enquanto apenas um terço está disponível para a agricultura", afirma. Além disso, cerca de um terço dos alimentos de origem vegetal que são produzidos em todo o mundo destina-se à alimentação animal.

"Este aumento de animais é da responsabilidade dos produtores", afirma a vegetariana.

"Actualmente 20% dos animais que habitam o planeta foram criados pelo sector da pecuária para consumo humano e quase um terço dos ecossistemas mundiais está ocupado por esta actividade."

Cristina Rodrigues fala de um exemplo vindo da Bélgica: na cidade de Gent, no Norte do país, o consumo de carne foi banido às quintas-feiras. Isto é, nesse dia os restaurantes, cantinas e escolas não vendem bifes.

A medida permitiu uma poupança no ambiente, garante. Os cálculos indicam que é o equivalente a retirar um milhão de carros das estradas. O pró- prio líder do Painel Intergovernamen- tal das Nações Unidas para as Alterações Climáticas (IPCC), Rajendra Pachauri, incentivou as pessoas a deixa-rem de comer carne um dia por semana. Para já, o exemplo foi apenas seguido em Gent.