Geografia de Portugal é oportunidade para liderar

A geografia de Portugal e o acesso à energia solar, eólica e hidro-eléctrica "dão-lhe grandes oportunidades de liderar nas energias renováveis", assegura Nicholas Stern no livro "O Desafio Global", que a editora Esfera do Caos acaba de publicar.

Numa nota à edição portuguesa, o autor - que ficou internacionalmente conhecido pelo "Relatório Stern" - salienta ainda que "Portugal tomou uma importante iniciativa no seu empenhamento na economia de baixo carbono e no investimento em electricidade renovável, em particular eólica e solar".

Um investimento justificado porque, entre outros factores, "Portugal, como a totalidade da Europa do Sul, é extremamente vulnerável às alterações climáticas", escreve o economista britânico.

Segundo Nicholas Stern, "emissões não controladas podem, para o fim deste século, começar a fazer com que grande parte da Europa Meridional se pareça com o deserto do Sara", sendo Portugal "inevitavelmente envolvido nas migrações de centenas de milhões de pessoas de África e outras paragens que se seguiriam à transformação do planeta ocasionada por alterações climáticas não controladas".

Esta é apenas uma das antevisões que Stern inclui em "O Desafio Global - Como Enfrentar as Alterações Climáticas criando uma nova Era de Progresso e Prosperidade", onde salienta a urgência de reduzir as emissões dos gases com efeitos de estufa, destacando a importância das políticas públicas e o papel de cada cidadão.Como podem as emissões ser reduzidas e a que custo, qual o papel das empresas nas políticas públicas, quais as metas para os países ricos, como pode a comunidade internacional apoiar a adaptação nos países em desenvolvimento às alterações climáticas, quais os custos da inacção - estes são alguns dos aspectos focados no volume.

A obra marca o arranque da Colecção Gulbenkian Ambiente, dirigida pelo académico e ambientalista Viriato Soromenho-Marques, que assina o prefácio à edição portuguesa e para quem a actual crise económica e financeira tem "nas suas raízes mais fundas e nas suas consequências mais distantes" uma ligação essencial "com a negligência com que a Humanidade tem habitado e malbaratado este planeta".

De acordo com Nicholas Stern, a história do livro tem início quando Gordon Brown, então ministro das Finanças do Reino Unido, lhe pediu para "dirigir uma investigação sobre a economia das alterações climáticas". Dessa investigação resultaria o "Relatório Stern sobre a Economia das Alterações Climáticas", divulgado em Outubro de 2006 e no qual assenta "O Desafio Global", obra desenvolvida ao longo dos dois anos subsequentes.

"Como é possível que, em face das esmagadoras provas científicas e lógicas, ainda exista quem negue os perigos e a urgência da acção?" - questiona o autor, para quem "agir pensando que o futuro será igual ao passado é simplesmente uma tolice".

"Mesmo que sejamos prudentes, as emissões do passado combinar-se-ão com as que emitiremos no futuro próximo e teremos de lidar com prováveis temperaturas médias acrescidas de 2-3º C, possivelmente mais, face a 1850. Estes efeitos tornar-se-ão muito mais intensos e a adaptação será essencial e dispendiosa", exigindo que se planeie antecipadamente, explica Nicholas Stern.

Apesar de realçar a importância de um compromisso a nível das políticas públicas dos vários países, a responsabilidade individual não é escamoteada pelo economista, que indica exemplos de acção comunitária como Woking, uma pequena vila do Reino Unido que gera energia no sítio em que é utilizada, nomeadamente a partir de moinhos de vento locais, "reduzindo as perdas por transmissão e aumentando a eficiência".

Stern aponta também como um êxito o sistema de aquecimento do distrito de Copenhaga, "que fornece aquecimento limpo, fiável e acessível a 97 por cento da cidade".

"Criado em 1984, o processo captura simplesmente o calor desperdiçado pela produção de electricidade - normalmente libertado no mar - e canaliza-o de volta, através de tubagens, para as residências", o que permitiu reduzir as facturas de energia das habitações em 1.400 euros anuais e poupou, ao distrito de Copenhaga, o equivalente a 665.000 toneladas de CO2, conta o investigador.

Para Nicholas Stern, apesar dos vários casos de sucesso conhecidos, a dificuldade em mobilizar os indivíduos para a acção resulta da combinação de dois factores: "a menos que as pessoas tenham visto ou sentido um problema, é difícil persuadi-las de que é necessária uma resposta" e como "os efeitos das alterações climáticas só se tornam patentes ao fim de um longo período de tempo"... as mudanças ficam muitas vezes por concretizar.

Todavia, se em vez de levar o problema a sério o mundo esperar até que o Bangladesh, a Holanda ou a Florida estejam submersos, "será demasiado tarde para sairmos de um enorme buraco", alerta Stern.

Lembrando que as alterações climáticas são um fenómeno não equitativo, em que "os países ricos são responsáveis pela maior parte das emissões, mas os países pobres são atingidos mais cedo e mais duramente", o autor insiste na necessidade de um compromisso global.

Um acordo que "tem de ser eficaz no sentido de fazer baixar as emissões na escala necessária; tem de ser eficiente quanto a manter baixos os custos; e tem de ser equitativo em relação às capacidades e responsabilidades, levando em conta tanto as origens como o impacto das alterações climáticas", conclui.

Nicholas Stern, de 63 anos, é docente da Escola de Economia de Londres, professor convidado da Universidade de Oxford e presidente do Instituto de Pesquisa Grantham sobre Alterações Climáticas e Ambiente.Foi conselheiro especial do presidente do Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento (1994-1999) e vice-presidente e economista-chefe do Banco Mundial (2000-2003), sendo consultor do governo britânico e da Comissão Europeia para as Alterações Climáticas e Desenvolvimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?