Eco-transformação pode reduzir riscos ambientais

A eco-transformação e o seu papel na diminuição dos riscos ambientais estarão em debate na 2ª conferência-debate do ciclo AXA e Quercus, no dia 1 de março, sexta-feira, às 9.00, no Edifício sede da AXA, no Parque das Nações, em Lisboa.

O encontro com especialistas tem como principais objetivos perceber quais as melhores formas de integrar políticas e práticas de transformação e reconversão ecológica no dia-a-dia das empresas e das famílias.

Terá ainda em vista, determinar as suas vantagens e desvantagens no contexto da atual crise, identificar obstáculos e delinear metas concretas para a adoção de medidas e comportamentos mais produtivos e sustentáveis.

Haverá lugar para a apresentação de projetos práticos como o "Lisboa Smart City", pela Lisboa E-Nova sobre a adoção de modelos de inovação na gestão urbana, os projectos de "Green IT", do Grupo AXA e a "Casa Sustentável" de Ricardo Marques, da Quercus.

A permacultura que se relaciona com as construções eficientes, técnicas de agricultura orgânica como casas de banho "secas", compostagem, captação de água, cozinhas com fogão a lenha, filtros biológicos será, também, um conceito em análise.

Esta conferência que integra o ciclo de conferências-debate sobre "Responsabilidade Ambiental na Sociedade" que tem por objetivo promover a adoção de políticas ambientais irá contar com os intervenientes Fernanda Pargana, da BCSD Portugal, Paulo Ferrão da IST /MIT Portugal, Francisco Gonçalves, daLisboa E-Nova, António Dionísio, da AXA e Paula Antunes, da Universidade Nova de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.