Animais mais populares que celebridades nas redes sociais

Dez por cento dos animais de estimação dos britânicos tem o seu próprio perfil numa rede social, de acordo com um estudo publicado hoje.

Segundo o "The Guardian", de acordo com uma das maiores seguradoras para animais do Reino Unido, milhões de britânicos já criaram um Facebook, um Twitter, ou até mesmo um canal no Youtube para os seu animais. Um fenómeno que está a ser descrito como "petworking", em vez do usual networking, que se refere a quando uma pessoa utiliza as redes sociais.

O "boom" provocou também um crescimento nos websites dedicados a animais, que têm vindo a atrair mais seguidores do que sites de celebridades. Boo, por exemplo, um cão com um perfil no Facebook, já vai com mais de 1.4 milhões de "gostos", enquanto que Beast, o cão de Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, já tem mais de 146,000 fãs. Os gatos são também famosos, especialmente o Maru, que tem mais de 140.000 seguidores no seu canal no Youtube,

Neil Brettell, director da PetPlan e do estudo, diz que os "animais são mais populares do que as celebridades no Facebook e em outras redes sociais". Já Stephen Davies, um especialista em redes sociais, acrescentou: "como as redes sociais desempenham um papel tão importante nas nossas vidas, é natural que os nossos animais tomem também parte no fenómeno. Usamos sites como o Facebook e o Twitter como uma extensão das nossas vidas reais, e quando pensamos nos nossos animais como parte da família queremos envolve-los também".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.