85% da nossa floresta nas mãos de privados

 Vinte por cento da mata nacional têm dono desconhecido, o que torna muito difícil a sua gestão. O Estado adoptou um modelo de zonas integradas, com as associações de produtores florestais a ocupar-se da limpeza destes espaços. Desafio que se coloca numa altura em que iniciamos a nossa colaboração no Livro Verde europeu das florestas

Dominada pelo sobreiro, pelo pinheiro-bravo e pelo eucalipto. Usada essencialmente para produzir madeira, pasta de papel e cortiça e com 85 por cento dos seus hectares dominados por privados - contrariando a média europeia, de 10 por cento. Este é o bilhete de identidade da floresta portuguesa, que procura ainda que se identifiquem os seus donos, para que se consiga fazer uma gestão que a torne mais sustentável. Desafios que se colocam numa altura em que Portugal inicia a sua colaboração no Livro Verde europeu das florestas (ver texto secundário), que procura dar respostas precisamente nessa área.

Para Rui Barreiro, secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, estas características "tornam o trabalho de gestão mais árduo", isto porque esses hectares por vezes nem sequer têm dono conhecido. "Alguns herdaram e não sabem, outros emigraram, alguns desistiram de cuidar dos terrenos, outros mudaram-se para as cidades. É uma situação herdada da lei dos morgadios [instituída durante o reinado de Felipe III, por volta de 1600], em que as terras eram divididas pelos filhos até que se chegou a esta situação", explica.

Por causa disto, o primeiro passo para uma melhor gestão da floresta portuguesa deverá ser o cadastro dos donos dos terrenos, como sugeriu ao DN Eugénio Sequeira, membro do Conselho Nacional do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CNADS). "Vinte por cento dos terrenos florestais, cerca de 30 milhões de hectares, têm dono desconhecido", informa.

Para tentar minimizar o pro-blema, o Ministério da Agricul- tura decidiu instituir as ZIF (zo-nas de intervenção florestal) onde os pequenos proprietários se juntam às associações de produtores e ao Estado para melhorar a ges-tão das florestas (ver entrevista).

"A fragmentação da floresta no caso de Portugal tem de ser tida em conta a nível da União Europeia, aliada a uma estratégia de desenvolvimento para os espaços rurais e a uma maior investigação entre as universidades portuguesas e outras de países com uma floresta semelhante à nossa". Esta é a sugestão de Duarte Caldeira, presidente da Liga Portuguesa dos Bombeiros, como primeiro passo para uma maior sustentabilidade da floresta nacional.

Outro passo seria promover a mudança de espécies de árvores dominantes: "É preciso que haja um fomento de espécies como o carvalho, que ardem menos, garantindo aos produtores um rendimento enquanto elas crescem", aconselha Eugénio Sequeira. A floresta portuguesa é dominada pelo sobreiro, pinheiro-bravo e eucalipto, que o membro do CNADS considera "um rastilho" quando se fizerem sentir ainda mais os efeitos das alterações climáticas. "É preciso aumentar o número de florestas com alto valor ambiental, gerindo-a para diminuir o risco de incêndio", diz, acrescentando que população deve ver o valor que a floresta tem para o País, "para que obriguem o Estado a actuar ".

Tanto Eugénio Sequeira como Rui Barreiro consideram que as actividades florestais, como a caça ou o lazer, desde que feitos com responsabilidade, melhoram a vigilância desse espaço e ajudam a que se mantenha mais limpo.

? "Até 2007 tínhamos sete vezes mais fogos por habitante do que Espanha. Este número desceu para duas vezes nos anos seguintes". Eugénio Sequeira, do CNADS, diz que o cenário dos incêndios melhorou, mas um aumento dos efeitos do aquecimento global pode ser fatal para Portugal. "É preciso desenvolver a investigação no combate aos incêndios", acrescenta Duarte Caldeira da Liga Portuguesa dos Bombeiros. A opinião é sublinhada por Eugénio Sequeira que alerta para a falta de cartografia que ajude a chegar aos fogos.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.