Antepassados humanos usavam o fogo há um milhão de anos

Antropólogos encontraram cinzas de matéria vegetal e de ossos em caverna da África do Sul que foi usada por hominídeos

A descoberta de cinzas de substâncias vegetais e de fragmentos de ossos calcinados com um milhão de anos, no interior da caverna Wonderwerk, na África do Sul, que se sabe ter sido habitada por hominídeos, faz recuar em cerca de 300 mil anos a primeira utilização conhecida do fogo pelos antepassados do Homo sapiens.

O achado, cujo estudo é publicado hoje na revista Proceedings of National Academy of Sciences (PNAS)por uma equipa internacional de investigadores, sugere que há um milhão de anos o Homo erectus, um antepassado do homem moderno que surgiu em África há cerca de 1,8 milhões de anos, usavam o fogo. A análise do achado indica que aqueles hominídeos teriam pequenas fogueiras junto há entrada daquela caverna há um milhão de anos.

"O estudo faz recuar em 300 mil anos o momento da utilização do fogo pelos antepassados do homem moderno, o que sugere que o Homo erectus terá adotado o fogo no seu modo de vida", afirmou Michael Chazan, antropólogo da universidade de Toronto, no Canadá, e um dos responsáveis da escavação na caverna de Wonderwerk, sublinhando que o "domínio do fogo terá sido um momento de viragem na evolução humana".

A sua influência no tipo de alimentação, segundo aquele investigador, "está bem estabelecida, mas o impacto do domínio do fogo deve ter-se repercutido em todos os elementos da sociedade humana", afirma o antropólogo canadiano. "Os contactos sociais em torno de uma fogueira terão sido um aspeto determinante para o desenvolvimento do que nos torna humanos", conclui Michael Chazan

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG