ALMA descobre fábrica de poeira em supernova

Radiotelescópio europeu permitiu pela primeira vez ver a concentração de poeiras que resulta da explosão de uma estrela

Dizem os poetas que somos feitos do pó das estrelas mas, para além da imagem que as palavras evocam, essa é mesmo a realidade. Parte dessa poeira, porém, foi gerada, não em vida, mas na morte das estrelas, quando elas se extinguem no meio de explosões, que os astrónomos designam supernovas. É isso, justamente, que há muito propõem as teorias: que as supernovas são grandes geradoras de poeiras. Agora, graças às observações feitas com o novo radiotelescópio europeu ALMA, a teoria foi confirmada:as supernovas são uma das grandes fontes das poeiras cósmicas.

Para fazer a confirmação, um grupo de astrónomos liderado por Remy Indebetouw, da universidade da Virgínia, nos Estados Unidos, fez observações dos restos de uma supernova recente, a 1987A, localizada Grande Nuvem de Magalhães, uma nebulosa a 168 mil anos-luz da Terra, e como o nome está mesmo a dizer, a luz dessa supernova chegou aqui em 1987. Os resultados são publicados na revista Astrophysical Journal Letters.

Leia mais pormenores no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG