Acompanhe em direto o eclipse

Veja ao vivo as imagens do eclipse feitas pelo Observatório Astronómico de Lisboa, à medida que a Lua cobre até 73% do Sol. Pico máximo às 9.00.

(para ver a imagem em direto é necessário arrastar o cursor para o final da linha de tempo - como se se quisesse ver o "fim" do vídeo - para ver as imagens mais recentes, sem começar pelo início da transmissão, às 8.00)

Esta sexta-feira entre as 8.00 e as 10.00 da manhã, acompanhe o eclipse que vai obscurecer até 73 por cento do Sol, através das imagens fornecidas pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e pelo Observatório Astronómico de Lisboa. O eclipse deverá chegar ao seu máximo por volta das 9.00

Trata-se de um eclipse solar que é visto como total na região do Ártico, mas que será visível como parcial no território português, incluindo nas ilhas, o primeiro a ver-se este milénio no país.

Se vai observar o eclipse, siga as recomendações de segurança da Direção-Geral de Saúde, visto que uma observação direta do fenómeno, ou através de óculos de sol, películas fotográficas, radiografias ou vidros fumados pode causar graves danos nos olhos.

Se está em Lisboa, pode também juntar-se às observações promovidas pelo Observatório Astronómico de Lisboa, na Tapada da Ajuda, ou pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), no largo do edifício C8 da faculdade, no Campo Grande. Também na FCUL, entre as 17.00 e as 18.00, vai ter lugar uma palestra sobre o eclipse, proferida pelos Professores Rui Agostinho e Pedro Ré.

Com ou sem nuvens, a diminuição da luz do Sol será muito real, tanto nas zonas atravessadas pela sombra total - que de terra habitada apenas incluem as ilhas Faroé, 300 quilómetros a norte da Escócia, e o arquipélago norueguês de Svalbard - como nas regiões que conseguirão observar apenas fenómeno como parcial, ou seja, quase toda a Europa.

Em Portugal, consoante a geografia, a grandeza do eclipse oscilará entre os 69%, no Algarve, e os 79%, nas ilhas Terceira e Faial, que ficam na latitude mais a norte. Visto a partir de Lisboa, o pedaço de Sol encoberto pela passagem da Lua vai chegar aos 73%. No Porto e noutras cidades nortenhas atingirá os 77%.

Exclusivos