Trotinetas partilhadas chegam a Coimbra

Vão ser colocadas nas ruas 200 a 400 trotinetas em 70 pontos de estacionamento da cidade de Coimbra.

Depois de Lisboa, de Cascais e de Faro, a rede de trotinetas elétricas partilhadas chega a Coimbra esta sexta-feira. A Lime - presente em 15 cidades europeias - é a empresa responsável pela entrada destes veículos na cidade universitária.

Todos os dias, entre as 5:00 e as 21:00, vão ser colocadas 200 a 400 trotinetas em 70 pontos de estacionamento nas ruas de Coimbra. A utilização está sujeita às mesmas normas das outras cidades. Para desbloquear é necessária uma aplicação no telemóvel, o preço também é igual ao que é praticado nos restantes locais (um euro para destrancar o veículo e 0,15€ por minuto) e estão interditas a menores de 18 anos.

As vantagens ambientais e energéticas são "um ponto a favor deste sistema, que permite, face à utilização do automóvel, uma redução de emissões de gases com efeito de estufa, de partículas, de ruído ambiente, de consumo de energia, de congestionamento de tráfego, melhoria da qualidade do ar e do ambiente urbano", afirma a Câmara de Coimbra, citada pela agência lusa, numa nota de 13 de fevereiro.

A autarquia diz-se ainda ciente dos riscos associados à implementação desta solução de mobilidade e por isso pediu a todos os moradores que denunciem estacionamentos abusivos e aos utilizadores que coloquem capacete e que respeitem as regras de trânsito.

Problemas com o estacionamento

Várias cidades têm tido problemas relacionados com a rede de trotinetas partilhadas. Em novembro Madrid, chegou a suspender a circulação destes veículos durante 72 horas por falta de regulação, depois de terem sido registados 22 acidentes. França proibiu a circulação pelos passeios e colocou novas regras dedicadas a este transporte no código da estrada.

Em Lisboa, a Câmara Municipal criou um regulamento dedicado a esta solução de mobilidade e tanto a PSP como a EMEL (Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa) têm promovido várias ações de sensibilização para uma utilização correta e segura destes veículos, nomeadamente, através da recomendação do uso de capacetes (que não é obrigatório segundo código da estrada). Para além disso, as trotinetas mal estacionadas estão a ser recolhidas e está prevista a aplicação de uma coima de 30 euros para quem deixar as trotinetas em locais indevidos.

No ano passado foram registados seis acidentes com trotinetas partilhadas, segundo dados da PSP. Para já só a Lime diz ter um número residual de acidentes, mas não respondeu ao contacto do DN para saber quantos.

Trotinetas partilhadas em Portugal

Para além da norte-americana Lime existem em Portugal mais cinco empresas de trotinetas elétricas partilhadas: a Voi, a Iomo, a Hive, a Tier e a Bungo. E há 15 marcas interessadas em colocar mais trotinetas nas ruas portuguesas.

A capital foi a primeira cidade a receber este fenómeno, a 4 de outubro do ano passado, seguiu-se o município de Cascais e depois Faro, em fevereiro. A stratup sueca Voi disponibilizou 75 veículos para o sul do país, distribuídos por dez locais da cidades.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.