Terrenos do Metro de Sete Rios em Lisboa vão ter habitação, serviços e turismo

Sete Rios será objeto de uma intervenção urbanística que vai fazer nascer habitação, serviços, comércio e turismo nos terrenos do Metro de Lisboa, além da central de autocarros adiada há 15 anos, revelou esta terça-feira o vereador do Urbanismo.

O vereador do Urbanismo da Câmara de Lisboa, Manuel Salgado (PS) foi esta terça-feira ouvido pela comissão de Transportes da Assembleia Municipal da capital sobre os terrenos do Metropolitano de Lisboa em Sete Rios, que a empresa tenciona vender.

Para estes terrenos e a zona envolvente de Sete Rios foi criada uma unidade de execução, que está a trabalhar naquela intervenção urbanística, de acordo com o definido pelo Plano Diretor Municipal (PDM).

Manuel Salgado revelou que os usos em causa serão habitação, serviços, comércio e turismo, mas "não estão fechadas as quantidades", estando a autarquia em diálogo com o Metro acerca dos índices de edificabilidade, sendo certo que a opção será pela "construção em altura", à semelhança dos edifícios já instalados naquela zona.

"Faz sentido para libertar solo permeável e sobretudo espaço público", disse o vereador, acrescentando que será compatível com o que está previsto para a praça general Humberto Delgado, no âmbito do projeto "uma praça em cada bairro".

O projeto da praça contempla também "um grande coletor do sistema geral de drenagem, que vem da Estrada das Laranjeiras", sendo ainda concluída a galeria da estação de Metro de Sete Rios, que está interrompida, com diversas saídas, permitindo a circulação subterrânea de pessoas.

Assim, vai criar-se um "interface potente" dos diversos transportes públicos daquela zona: metro, comboios, central de autocarros e um futuro terminal dos Transportes Sul do Tejo (TST), esclareceu.

Manuel Salgado disse não poder dar qualquer indicação sobre a data de conclusão das obras da nova central de camionagem de autocarros, uma estrutura provisória há mais de 15 anos.

O deputado municipal do PSD Francisco Domingues questionou Manuel Salgado sobre o acordo entre a Câmara e o Metro, que previa que o resultado da venda dos terrenos revertesse para um fundo de pensões dos trabalhadores do Metropolitano, uma vez que o ministro do Ambiente, que tutela a empresa, afirmou no ano passado que esse dinheiro será aplicado na expansão da linha.

No mesmo sentido, a deputada do BE Isabel Pires e a deputada do PEV Cláudia Madeira quiseram saber se houve alguma alteração ao acordo, já que entidades como a comissão de trabalhadores do Metro disseram não ter sido informadas de qualquer mudança no protocolo que estabelecia a afetação das verbas ao fundo de pensões.

O eleito do CDS-PP Diogo Mouro considerou que se trata de um "incumprimento" do acordo, apontando também que no passado foi estimado um valor de 60 milhões de euros para os terrenos, em contraste com os 30 a 40 milhões a que o ministro do Ambiente se referiu mais recentemente.

O deputado municipal do PSD António Prôa, que preside à comissão, referiu-se à falta de condições da atual central de camionagem da Rede Expressos e alertou para a necessidade de ligação entre os diferentes terminais de transportes daquela zona.

Manuel Salgado respondeu que a questão sobre o fundo de pensões ultrapassava as suas competências, sendo o Governo que tutela o Metro, e disse não conhecer as declarações do ministro sobre os valores da venda.

"A intenção do Metro é ter a proposta de execução aprovada pela Câmara e só depois fazer a alienação do património. Vender o terreno em bruto sem a proposta estabilizada com o município será sempre muito problemático", sustentou o vereador do Urbanismo.

Depois de o eleito do PAN Miguel Santos ter afirmando que a hipótese de um plano de pormenor foi eliminada e que as unidades de execução deixam os territórios num "limbo", Manuel Salgado sublinhou que "a unidade de execução é uma figura prevista na legislação urbanística" e que a opção pela sua utilização foi tomada em sede de PDM.

"Destina-se a executar os planos que estão em vigor e não permite alterar os planos", afirmou, argumentando que os planos de pormenor permitem alterações, como o aumento da densidade.

Salgado frisou que, "neste caso, o PDM prevê aquilo que se propõe realizar no conjunto das áreas referidas: em Sete Rios, na José Malhoa e na Praça de Espanha".

"Toda esta área tem regras definidas no PDM, estamos a concretizar o que consta do PDM", disse.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.