Reeleição de Salgado na SRU adiada por falta de apoio do PSD. Mas Teresa Leal Coelho diz que vota a favor

Vereadores do PSD juntaram-se ao Bloco de Esquerda contra a proposta de reeleição de Manuel Salgado como presidente do conselho de administração da Sociedade de Reabilitação Urbana (SRU). Mas a social-democrata Teresa Leal Coelho, que esteve ausente, assume que quando voltar à câmara vai votar a favor.

A votação para a reeleição de Manuel Salgado como presidente do conselho de administração da Lisboa Ocidental SRU - Sociedade de Reabilitação Urbana - foi adiada esta quinta-feira em reunião privada da Câmara Municipal de Lisboa. A decisão surgiu após o PSD ter anunciado ser contra a manutenção de Salgado como presidente da SRU. Mas a vereadora social democrata Teresa Leal Coelho já veio dizer que votará a favor, no que é uma divisão no PSD lisboeta.

Ao Bloco de Esquerda (BE) juntou-se a posição dos vereadores do PSD, presentes nesta reunião, que estão contra a reeleição de Salgado na SRU. De referir que em julho foi anunciado que Manuel Salgado deixava de ser o responsável pela pasta do urbanismo da câmara - o que veio a efetivar-se a 7 de outubro -, mas o presidente da autarquia quer manter o arquiteto na Sociedade de Reabilitação Urbana.

Os vereadores do PSD João Pedro Costa e Rogério Jóia, que estava a substituir Teresa Leal Coelho na reunião desta quinta-feira, tinham já preparada uma declaração de voto contra a manutenção de Salgado à frente da SRU, proposta essa subscrita pelo presidente da autarquia, Fernando Medina.

Desta forma, ao saber que a reeleição de Manuel Salgado não iria ter os votos necessários, com PSD e Bloco de Esquerda a manifestarem-se contra, o autarca adiou a votação.

Contactada pelo DN, a Câmara de Lisboa não faz comentários sobre o caso.

João Pedro Costa explica ao DN que não está em causa Manuel Salgado, mas sim as políticas de reabilitação urbana da autarquia e a estrutura desta sociedade que, no seu entender, foi transformada numa sociedade de obras municipais.

"No inicio do mandato, o PSD levou a reunião de câmara uma proposta de criação da SRU Lisboa", começa por explicar João Pedro Costa sobre a a pretensão social-democrata em ter "uma grande empresa de reabilitação urbana de Lisboa". "Seria a Epul da reabilitação urbana", refere o vereador.

Opiniões divergem no PSD. Teresa Leal Coelho diz que vai votar a favor

O PS foi, na altura, contra a proposta do PSD e, segundo João Pedro Costa, pouco tempo depois "transformou a Lisboa Ocidental SRU, mantendo o nome, numa empresa municipal de obras". Para o vereador, a câmara "esvaziou a SRU" nas suas competências.

Perante esta "divergência política profunda", João Pedro Costa tem votado contra em tudo o que diz respeito à SRU, explica.

Há, no entanto, opiniões diferentes no próprio PSD sobre esta questão.Teresa Leal Coelho, tem uma posição divergente de João Pedro Costa ao garantir que vai votar a favor da manutenção de Salgado na SRU.

"O PSD no passado mês de agosto estabeleceu um compromisso publico sobre essa matéria pela voz do vereador João Pedro Costa, afirmando que o PSD na Câmara de Lisboa iria votar favoravelmente a manutenção de Manuel Salgado na SRU", afirma ao DN. E é isso que o partido vai fazer quando a proposta for novamente a votação, garante.

Teresa Leal Coelho sublinha que vai "honrar a palavra" do partido. "O compromisso que foi assumido pelo PSD foi o de que iria votar favoravelmente a recondução de Manuel Salgado e é isso que eu farei na reunião em que isso for votado", reforça. "O PSD não tem duas palavras. Não há nenhuma cambalhota", acrescenta.

João Pedro Costa nega que tenha feito um compromisso público em nome do PSD para a recondução de Salgado na SRU e admite que há "claramente" duas opiniões diferentes sobre a questão. A posição de João Pedro Costa está expressa na declaração de voto - que iria ser apresentada na votação - subscrita também por Rogério Jóia, o vereador que substituiu Teresa Leal Coelho na reunião desta quinta-feira.

No documento, a que o DN teve acesso, pode ler-se que "entendem os vereadores do PSD que nada se alterou no que se refere às divergências existentes relativamente à política de reabilitação urbana de Lisboa e, em particular, no que se refere à missão e enquadramento de Lisboa Ocidental, SRU, que consideram desajustada, pelo que, em continuidade com as votações anteriores, votam contra" a proposta.

Desde agosto que o BE, que tem um acordo com o PS na governação da autarquia, tem manifestado que votará contra a recondução de Manuel Salgado à frente da SRU. Ou seja, desde a altura em que o arquiteto anunciou que iria deixar de responsável pela pasta de urbanismo da Câmara de Lisboa. Uma decisão que só se efetivou a 7 de outubro.

"Existindo uma empresa municipal, o Bloco considera que esta tem obrigatoriamente de ser gerida por um eleito pelos lisboetas, sujeito ao escrutínio público", refere o BE numa nota enviada às redações. "Provavelmente por já prever este desfecho, Medina retirou a sua proposta de recondução de Manuel Salgado e recusou o agendamento da proposta do Bloco que propunha a sua não recondução".

Para o vereador social-democrata João Pedro Costa, o fim da geringonça a nível nacional está a ter reflexos na autarquia lisboeta, com "um crescente mal-estar" na coligação existente na câmara de Lisboa, entre PS e Bloco de Esquerda.

Além da recondução do ex-vereador do urbanismo à frente da SRU, a reunião desta quinta feira tinha mais dois pontos em agenda, que também foram adiados: o regulamento do Alojamento Local e a definição das áreas em que o Alojamento Local está condicionado, bem como a proposta de alteração ao acordo que a empresa que gere a Web Summit em Lisboa tem com a Câmara de Lisboa e o Governo.

Com Carlos Ferro

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.