Vereador do BE reage a caso de prédio em Alfama e PSD pede a sua demissão

Ricardo Robles pretendeu vender um prédio avaliado em 5,7 milhões. A notícia do caso fê-lo explicar a situação. A distrital de Lisboa do PSD descreve o vereador como "um especulador imobiliário, que 'despeja' inquilinos e que, pretende ganhar milhões e enriquecer com a especulação"

Em 2014, em conjunto com a sua irmã, Ricardo Robles comprou por 347 mil euros um prédio em Alfama, na Rua do Terreiro do Trigo. O edifício estava em mau estado e, segundo Robles, a câmara municipal de Lisboa notificou-o para fazer obras. Em março de 2017 as obras ficaram prontas. Custaram "aproximadamente um milhão de euros", revela o vereador.

A notícia deste negócio, publicada esta sexta-feira, do Jornal Económico, aponta que, ao mesmo tempo que fazia este negócio, Robles é dos políticos "que mais têm criticado a especulação imobiliária". O vereador contesta "qualquer contradição" entre a sua compra do prédio e a política que defende.

O jornal refere que existe uma avaliação da agência imobiliária que tentou colocar o prédio à venda em 2017, no valor de 5,7 milhões de euros. Ou seja, depois das obras, e com mais um andar recuperado, o prédio ter-se-á valorizado em mais de quatro milhões de euros.

"O imóvel não foi vendido nem está à venda neste momento", Ricardo Robles

Numa nota enviada às redações, Ricardo Robles esclarece que "o valor noticiado resulta de uma avaliação efetuada por uma agência imobiliária. Ou seja: o imóvel não foi vendido nem está à venda neste momento, sendo evidentemente desconhecidas as condições de qualquer operação que - obedecendo a constrangimentos familiares - venha a ocorrer no futuro". Ou seja, para o vereador, esse lucro é apenas uma hipótese para o futuro.

Outro ponto polémico neste caso é a afirmação, do jornal, de que "a maior parte dos inquilinos saiu", quando o vereador tomou posse do prédio. Ricardo Robles contrapõe: "Desde logo, nenhum morador saiu da sua habitação. As renúncias contratuais dizem respeito exclusivamente a espaços comerciais, alguns devolutos ou inutilizados, e foram acordadas com cada inquilino. Significa isto que a única família que vivia neste imóvel continua a viver, agora com a casa recuperada, com contrato em seu nome e com a duração de oito anos. Esta família paga, depois de efetuadas as obras no imóvel, uma renda mensal de 170 euros."

PSD exige demissão

Paulo Ribeiro, da concelhia de Lisboa do PSD, enviou um comunicado onde "exige" a demissão do vereador do Bloco de Esquerda, Ricardo Robles, que descreve como "um especulador imobiliário, que 'despeja' inquilinos e que, pretende ganhar milhões e enriquecer com a especulação imobiliária na zona histórica do município onde é vereador".

Nesse comunicado enviado esta sexta-feira às redações, o PSD "exige a demissão do vereador Ricardo Robles por manifesta falta de ética, de seriedade e de credibilidade política para permanecer no cargo de vereador na cidade de Lisboa".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.