Vereador do BE reage a caso de prédio em Alfama e PSD pede a sua demissão

Ricardo Robles pretendeu vender um prédio avaliado em 5,7 milhões. A notícia do caso fê-lo explicar a situação. A distrital de Lisboa do PSD descreve o vereador como "um especulador imobiliário, que 'despeja' inquilinos e que, pretende ganhar milhões e enriquecer com a especulação"

Em 2014, em conjunto com a sua irmã, Ricardo Robles comprou por 347 mil euros um prédio em Alfama, na Rua do Terreiro do Trigo. O edifício estava em mau estado e, segundo Robles, a câmara municipal de Lisboa notificou-o para fazer obras. Em março de 2017 as obras ficaram prontas. Custaram "aproximadamente um milhão de euros", revela o vereador.

A notícia deste negócio, publicada esta sexta-feira, do Jornal Económico, aponta que, ao mesmo tempo que fazia este negócio, Robles é dos políticos "que mais têm criticado a especulação imobiliária". O vereador contesta "qualquer contradição" entre a sua compra do prédio e a política que defende.

O jornal refere que existe uma avaliação da agência imobiliária que tentou colocar o prédio à venda em 2017, no valor de 5,7 milhões de euros. Ou seja, depois das obras, e com mais um andar recuperado, o prédio ter-se-á valorizado em mais de quatro milhões de euros.

"O imóvel não foi vendido nem está à venda neste momento", Ricardo Robles

Numa nota enviada às redações, Ricardo Robles esclarece que "o valor noticiado resulta de uma avaliação efetuada por uma agência imobiliária. Ou seja: o imóvel não foi vendido nem está à venda neste momento, sendo evidentemente desconhecidas as condições de qualquer operação que - obedecendo a constrangimentos familiares - venha a ocorrer no futuro". Ou seja, para o vereador, esse lucro é apenas uma hipótese para o futuro.

Outro ponto polémico neste caso é a afirmação, do jornal, de que "a maior parte dos inquilinos saiu", quando o vereador tomou posse do prédio. Ricardo Robles contrapõe: "Desde logo, nenhum morador saiu da sua habitação. As renúncias contratuais dizem respeito exclusivamente a espaços comerciais, alguns devolutos ou inutilizados, e foram acordadas com cada inquilino. Significa isto que a única família que vivia neste imóvel continua a viver, agora com a casa recuperada, com contrato em seu nome e com a duração de oito anos. Esta família paga, depois de efetuadas as obras no imóvel, uma renda mensal de 170 euros."

PSD exige demissão

Paulo Ribeiro, da concelhia de Lisboa do PSD, enviou um comunicado onde "exige" a demissão do vereador do Bloco de Esquerda, Ricardo Robles, que descreve como "um especulador imobiliário, que 'despeja' inquilinos e que, pretende ganhar milhões e enriquecer com a especulação imobiliária na zona histórica do município onde é vereador".

Nesse comunicado enviado esta sexta-feira às redações, o PSD "exige a demissão do vereador Ricardo Robles por manifesta falta de ética, de seriedade e de credibilidade política para permanecer no cargo de vereador na cidade de Lisboa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.