Vereador do BE reage a caso de prédio em Alfama e PSD pede a sua demissão

Ricardo Robles pretendeu vender um prédio avaliado em 5,7 milhões. A notícia do caso fê-lo explicar a situação. A distrital de Lisboa do PSD descreve o vereador como "um especulador imobiliário, que 'despeja' inquilinos e que, pretende ganhar milhões e enriquecer com a especulação"

Em 2014, em conjunto com a sua irmã, Ricardo Robles comprou por 347 mil euros um prédio em Alfama, na Rua do Terreiro do Trigo. O edifício estava em mau estado e, segundo Robles, a câmara municipal de Lisboa notificou-o para fazer obras. Em março de 2017 as obras ficaram prontas. Custaram "aproximadamente um milhão de euros", revela o vereador.

A notícia deste negócio, publicada esta sexta-feira, do Jornal Económico, aponta que, ao mesmo tempo que fazia este negócio, Robles é dos políticos "que mais têm criticado a especulação imobiliária". O vereador contesta "qualquer contradição" entre a sua compra do prédio e a política que defende.

O jornal refere que existe uma avaliação da agência imobiliária que tentou colocar o prédio à venda em 2017, no valor de 5,7 milhões de euros. Ou seja, depois das obras, e com mais um andar recuperado, o prédio ter-se-á valorizado em mais de quatro milhões de euros.

"O imóvel não foi vendido nem está à venda neste momento", Ricardo Robles

Numa nota enviada às redações, Ricardo Robles esclarece que "o valor noticiado resulta de uma avaliação efetuada por uma agência imobiliária. Ou seja: o imóvel não foi vendido nem está à venda neste momento, sendo evidentemente desconhecidas as condições de qualquer operação que - obedecendo a constrangimentos familiares - venha a ocorrer no futuro". Ou seja, para o vereador, esse lucro é apenas uma hipótese para o futuro.

Outro ponto polémico neste caso é a afirmação, do jornal, de que "a maior parte dos inquilinos saiu", quando o vereador tomou posse do prédio. Ricardo Robles contrapõe: "Desde logo, nenhum morador saiu da sua habitação. As renúncias contratuais dizem respeito exclusivamente a espaços comerciais, alguns devolutos ou inutilizados, e foram acordadas com cada inquilino. Significa isto que a única família que vivia neste imóvel continua a viver, agora com a casa recuperada, com contrato em seu nome e com a duração de oito anos. Esta família paga, depois de efetuadas as obras no imóvel, uma renda mensal de 170 euros."

PSD exige demissão

Paulo Ribeiro, da concelhia de Lisboa do PSD, enviou um comunicado onde "exige" a demissão do vereador do Bloco de Esquerda, Ricardo Robles, que descreve como "um especulador imobiliário, que 'despeja' inquilinos e que, pretende ganhar milhões e enriquecer com a especulação imobiliária na zona histórica do município onde é vereador".

Nesse comunicado enviado esta sexta-feira às redações, o PSD "exige a demissão do vereador Ricardo Robles por manifesta falta de ética, de seriedade e de credibilidade política para permanecer no cargo de vereador na cidade de Lisboa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.