Serviço de Saúde da Madeira informa sobre "caso provável" de sarampo

Fonte do Hospital Dr. Nélio Mendonça confirmou ao DN que não há risco de um surto de sarampo.

O Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira (SESARAM) informou em comunicado, esta quarta-feira, para a existência de "um caso provável de sarampo", de um adulto "não vacinado", adiantando também que se trata de um caso importado.

De acordo com a nota divulgada, "este é um caso importado que se encontra em investigação, não havendo ainda confirmação laboratorial" do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge. A informação também explicita que se trata "de uma cidadã proveniente do Reino Unido, de 45 anos", que está internada, mas com um "quadro clínico estável".

A SESARAM esclareceu que "em articulação com as autoridades de saúde, está a implementar os procedimentos necessários, de acordo com as normativas em vigor" e que, "por precaução", todos os "profissionais de saúde em contacto com a doente estão a ser acompanhados", incluindo ao nível da vacinação.

Este serviço de saúde elencou que a Autoridade de Saúde Regional, juntamente com a Direção Geral da Saúde e o Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge, está a acompanhar o caso, acrescentando que na Madeira "a cobertura vacinal em relação ao sarampo é muito elevada", ou seja, está entre os 97% e os 99%, de acordo com o comunicado.

Fonte do Hospital Dr. Nélio Mendonça confirmou ao DN que não há risco de um surto de sarampo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.