Santa Maria Maior ganha biblioteca numa cabine telefónica

Iniciativa da Fundação PT já conta com cerca de 20 microbibliotecas em várias cidades do país, incluindo das Regiões Autónomas. Antigas cabines são reconvertidas à moda inglesa

A ideia começou com os moradores de uma pequena aldeia de Westbury-sub-Mendip, no sudoeste de Inglaterra, que pela primeira vez se lembraram de transformar uma das cabines telefónicas clássicas encarnada na mais pequena biblioteca do mundo. Por cá, o movimento partiu de uma parceria entre a Altice Portugal (através da Fundação PT) e a junta de freguesia de Barcelinhos, em 2013, e cinco anos depois conta já com uma rede de 20 microbibliotecas.

Fruto do sucesso da ação - onde foi dinamizada a iniciativa Livros do Cávado, com publicações disponíveis para moradores e turistas -, a Fundação PT foi enraizando por todo o país, incluindo Açores e Madeira, cabines telefónicas transformadas em diversos tipos de equipamento urbano, espaços criativos, vocacionados para a leitura.

Hoje, a primeira microbiblioteca abre na Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, de Lisboa, e a Altice Portugal, com a presença do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, e uma representante do Plano Nacional de Leitura.

As várias microbibliotecas já distribuídas um pouco por todo o país são dinamizadas pela Fundação PT, que reaproveita cabines telefónicas e, mediante parcerias com entidades autárquicas ou outras, assegura a sua adaptação, colocação e dinamização com o objetivo de estreitar laços comunitários, exercitar a cidadania e fomentar a leitura num espaço totalmente inesperado, com o mote: "Levar, doar, ler, devolver".

Autênticas bibliotecas comunitárias, as antigas cabines telefónicas da então Portugal Telecom permitem materializar uma iniciativa de promoção da leitura através da integração no seu interior, não de um telefone público, mas de um amontoado de livros, num apelo direto ao ato de ler.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.