Rui Moreira afirma que cimeira do clima "não acaba hoje"

No balanço da visita de Barack Obama, líder da autarquia portuense diz que o Porto quer ser palco de um tema da maior importância para o mundo

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, afirmou esta sexta-feira, na conferência de imprensa de balanço da cimeira do clima, que "este evento não acaba hoje", sublinhando que o Porto Protocol "é uma aposta muito importante da cidade".

O autarca admitiu que a conferência "correu na perfeita normalidade", enquanto falava no Rivoli, Teatro Municipal do Porto, acompanhado de Adrian Bridge, diretor-geral da The Fladgate Partnership, que "foi quem promoveu este evento", e também de Nuno Botelho, presidente da Associação Comercial do Porto (ACP).

"O evento não acaba hoje. O Porto Protocol é uma aposta muito importante da cidade, uma cidade que pretende ser palco de um tema da maior importância para o mundo e para todos nós, que envolve economia e empresas, mas também qualidade de vida, ambiente e sustentabilidade, que é uma das prioridades deste executivo", referiu Rui Moreira.

É muito importante que haja uma colaboração estreita entre os estados

O presidente portuense disse ainda que, além de "todos nós começarmos a ter noção de que as alterações climáticas existem", também se começa a perceber que "algo tem que ser feito para preparar e adaptar à alteração das condições", não só as indústrias, mas também toda a comunidade "tem que se adaptar a uma nova realidade", defendendo uma "envolvência entre os estados e as empresas".

"É muito importante que haja uma colaboração estreita entre os estados, em que as cidades são chamadas a agir e as empresas. Hoje foi muito claro, no que ocorreu no Coliseu do Porto, que este é um problema que é também uma oportunidade. Para as empresas perceberem que a sustentabilidade é uma grande oportunidade e, naturalmente, também para os cidadãos, que começam a perceber que vão ter de viver de maneira diferente", disse, reforçando que o "padrão de consumo tem de se alterar".

Adrian Bridge frisou novamente que hoje é o dia de começo do "trabalho para o Porto Protocol", destacando que esta "iniciativa importante não era possível sem as pessoas envolvidas na organização", distribuindo elogios à Câmara do Porto, ACP e restantes 'sponsors'.

"Para mim este dia é aquele em que vamos começar o trabalho para fazer o próximo evento, em março de 2019", referindo-se à conferência que se realiza para o ano, dedicada ao setor do vinho, denominada Climate Change Leadership Porto -- Solutions for the wine industry.

O primeiro dia do resto da vida do Porto

O responsável exultou que o Porto "dá o seu nome a um vinho conhecido em várias partes do mundo", e que por isso, dá uma capacidade de transmissão ao protocolo "a outras pessoas no setor agrícola, que é frágil", tendo a "capacidade de partilhar soluções que ajudam a nossa vida".

"A realidade é que o setor de vinhos, que utiliza marcas, tem a capacidade de comunicar com o consumidor final e é uma maneira de transmitir a importância deste assunto. Daqui a pouco tempo, vamos começar a olhar para os produtos, sejam quais forem, feitos por empresas que têm cuidado com o ambiente e acho que esta é uma base importante. A palavra Porto e o Porto Protocol são uma boa maneira para base de expressão desta energia e força, e ampliar a definição mundialmente", finalizou.

Para Nuno Botelho, este foi "o primeiro dia do resto da vida do Porto", admitindo que quer "fazer com que esteja cimeira seja grande e vá crescendo em presenças de pessoas, mediatismo e notoriedade", para que se torne numa referência como Davos, local onde se realiza o Fórum Económico Mundial.

"Davos começou assim, acho que a ambição não é pequena, mas não nos devemos limitar. Está ao nosso alcance perfeitamente dar notoriedade à cidade através de temas como este", exemplificou.

A conferência sobre as alterações climática gerou, hoje de manhã, uma fila de cerca de duas horas para a entrada dos convidados na rua Passos Manuel, onde está montado, desde madrugada, um forte dispositivo de segurança e corte de trânsito.

O ex-Presidente dos Estados Unidos da América Barack Obama foi uma das presenças na conferência, que contou ainda com o premiado com o Nobel da Paz Mohan Munasinghe, assim como a ex-diretora-geral da UNESCO Irina Bokova e o conselheiro económico político Juan Verde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.