Carris: quinze novos autocarros começam a circular sexta-feira

Trata-se dos primeiros veículos de uma nova frota de 250, que chegarão à cadência de quatro por semana a partir de janeiro. Toda a frota vai ter wi-fi gratuito

A Carris vai ter 15 autocarros novos a circular nas ruas de Lisboa a partir da próxima sexta-feira, aos quais se vão juntar mais veículos a partir de janeiro, anunciou a empresa de transporte rodoviário.

Em comunicado, a empresa, que está sob a alçada da Câmara Municipal de Lisboa, refere que, "depois de dez anos sem qualquer aquisição, a Carris coloca esta sexta-feira em circulação os primeiros autocarros da nova frota de 250 veículos que reforçarão os serviços da empresa".

"Para completar um total de 250 autocarros, vão chegar em média quatro novos por semana, a partir de janeiro", é acrescentado.

A empresa aponta que, "além do reforço das carreiras já existentes, a chegada dos novos autocarros permite à Carris continuar o projeto de criação de mais carreiras de bairro".

Estes primeiros 15 veículos pesados vão "permitir melhorar significativamente o serviço público de transporte e a qualidade do ar na cidade de Lisboa", uma vez que são "confortáveis e mais ecológicos".

De acordo com a informação disponibilizada pela empresa, estes autocarros já vêm equipados com wi-fi a bordo, que pode ser utilizada de forma gratuita.

A Carris também garante que, "até ao Natal, toda a frota" estará equipada com este serviço.

Para assinalar a chegada à capital destes veículos, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, e o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, "vão entregar as chaves dos novos autocarros e acompanhar a primeira viagem comercial da nova geração de autocarros, conjuntamente com o Conselho de Administração" da empresa.

A viagem terá início na estação de Miraflores e decorrerá na manhã de sexta-feira.

Frota amiga do ambiente

"Com a aquisição dos 250 autocarros, a frota da Carris vai passar a emitir menos 40% de partículas poluentes, indo assim ao encontro do compromisso assumido por uma cidade cada vez mais amiga do ambiente e pela saúde dos seus habitantes", assinala a nota.

Em meados de setembro, o vereador da Mobilidade da Câmara de Lisboa, Miguel Gaspar, estimou que os autocarros adquiridos pelo município para substituir e reforçar a frota da Carris estivessem a circular em "finais de outubro".

Na altura, o autarca explicou que o primeiro dos veículos encomendados já estava em Lisboa, mas ainda teria de ser "equipado com os sistemas de bilhética e os sistemas de controlo", e seria também necessário que os motoristas fizessem formação no autocarro.

"Há todo um processo de algumas poucas semanas entre ele estar cá fisicamente e ir para a estrada ao serviço das pessoas", afirmou Miguel Gaspar.

Já em junho, o presidente do município, Fernando Medina, tinha apontado que os autocarros iriam "chegar em setembro".

No início de fevereiro, a Câmara de Lisboa assinou o processo de aquisição de 165 novos autocarros movidos a gás natural comprimido e, na altura, apontou que uma centena deles deveriam estar nas ruas até ao final do ano.

A estes autocarros juntar-se-ão 15 elétricos, que também deverão chegar no primeiro trimestre de 2019.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.