PSP detém 12 carteiristas em Lisboa na primeira semana de agosto

Entre 1 e 8 de agosto, a PSP deteve 12 carteiristas em flagrante em várias zonas da capital. Têm entre os 22 e os 50 anos

A Polícia de Segurança Pública (PSP) de Lisboa, através da Divisão de Investigação Criminal, deteve 12 carteiristas, com idades entre os 22 e os 50 anos, no espaço de uma semana, entre 1 e 8 de agosto. De acordo com a PSP, as detenções foram efetuadas no momento do crime e os bens devolvidos aos proprietários.

Em comunicado, a PSP avança que a primeira detenção foi efetuada na passada quarta-feira, dia 1 de agosto, na freguesia de Santa Maria Maior, em Lisboa. Na altura, dois homens e uma mulher roubaram um telemóvel no valor de 700 euros a um turista.

No dia a seguir, quinta-feira, dia 2, um homem e uma mulher foram detidos na estação de metro dos Anjos, na sequência de um furto de uma carteira que continha 100 euros.

Já na terça-feira, a PSP deteve um homem e uma mulher, novamente na freguesia de Santa Maria Maior, que furtaram uma carteira a uma turista, que continha 5,70 euros em dinheiro e documentos. Na segunda-feira, a detenção aconteceu no interior do elétrico 15, onde duas mulheres roubaram uma carteira no valor de 50 euros que continha documentos e 105 euros em dinheiro.

Carteiristas de nacionalidade romena

A última situação aconteceu esta quarta-feira, pelas 11h30, no Pátio Dom Fradique, onde dois homens e uma mulher foram detidos, depois de terem roubado uma carteira e um telemóvel a uma turista, bens avaliados em 404 euros.

Além dos 12 detidos, foram identificados ao longo deste período 17 carteiristas, informa ainda a PSP no comunicado.

A mesma nota dá conta ainda que todos estes suspeitos possuem antecedentes criminais pelo mesmo tipo de ilícito, sendo que três deles encontram-se a aguardar presença à Autoridade Judiciária do Tribunal da Comarca de Lisboa e aos restantes nove foram aplicadas medidas de coação não privativas da liberdade.

Os carteiristas atuam nos locais mais turísticos da capital, como a Baixa, Rossio, Restauradores, junto à estação de comboios, Cais do Sodré e Praça da Figueira

O DN sabe que os carteiristas são de nacionalidade romena. O esquema usado é o modus operandi já conhecido pela polícia, que consiste em atuarem em grupo e nunca sozinhos. Há sempre um "ajudante" a quem o indivíduo que efetua o roubo passa a carteira ou outros objetos como telemóveis.

O modo de atuação é, aliás, revelado numa página de Facebook, "Carteiristas Lisboa / Pickpocket Lisbon", que além de fotografias tem também vídeos que mostram os carteiristas em ação.

As imagens divulgadas nesta rede social comprovam que a esmagadora maioria das vítimas dos carteiristas são turistas estrangeiros. Já foram detetadas ocorrências com turistas nacionais, mas é raro. É, por isso, um tipo de crime que acontece nos locais mais turísticos da capital, como a Baixa, Rossio, Restauradores, junto à estação de comboios, Cais do Sodré e Praça da Figueira.

Os elétricos 15 e 28, que têm uma grande afluência de turistas, estão também na mira dos carteiristas. Há também ocorrências nos autocarros da Carris e nas entradas das estações de metro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.