PSP detém 12 carteiristas em Lisboa na primeira semana de agosto

Entre 1 e 8 de agosto, a PSP deteve 12 carteiristas em flagrante em várias zonas da capital. Têm entre os 22 e os 50 anos

A Polícia de Segurança Pública (PSP) de Lisboa, através da Divisão de Investigação Criminal, deteve 12 carteiristas, com idades entre os 22 e os 50 anos, no espaço de uma semana, entre 1 e 8 de agosto. De acordo com a PSP, as detenções foram efetuadas no momento do crime e os bens devolvidos aos proprietários.

Em comunicado, a PSP avança que a primeira detenção foi efetuada na passada quarta-feira, dia 1 de agosto, na freguesia de Santa Maria Maior, em Lisboa. Na altura, dois homens e uma mulher roubaram um telemóvel no valor de 700 euros a um turista.

No dia a seguir, quinta-feira, dia 2, um homem e uma mulher foram detidos na estação de metro dos Anjos, na sequência de um furto de uma carteira que continha 100 euros.

Já na terça-feira, a PSP deteve um homem e uma mulher, novamente na freguesia de Santa Maria Maior, que furtaram uma carteira a uma turista, que continha 5,70 euros em dinheiro e documentos. Na segunda-feira, a detenção aconteceu no interior do elétrico 15, onde duas mulheres roubaram uma carteira no valor de 50 euros que continha documentos e 105 euros em dinheiro.

Carteiristas de nacionalidade romena

A última situação aconteceu esta quarta-feira, pelas 11h30, no Pátio Dom Fradique, onde dois homens e uma mulher foram detidos, depois de terem roubado uma carteira e um telemóvel a uma turista, bens avaliados em 404 euros.

Além dos 12 detidos, foram identificados ao longo deste período 17 carteiristas, informa ainda a PSP no comunicado.

A mesma nota dá conta ainda que todos estes suspeitos possuem antecedentes criminais pelo mesmo tipo de ilícito, sendo que três deles encontram-se a aguardar presença à Autoridade Judiciária do Tribunal da Comarca de Lisboa e aos restantes nove foram aplicadas medidas de coação não privativas da liberdade.

Os carteiristas atuam nos locais mais turísticos da capital, como a Baixa, Rossio, Restauradores, junto à estação de comboios, Cais do Sodré e Praça da Figueira

O DN sabe que os carteiristas são de nacionalidade romena. O esquema usado é o modus operandi já conhecido pela polícia, que consiste em atuarem em grupo e nunca sozinhos. Há sempre um "ajudante" a quem o indivíduo que efetua o roubo passa a carteira ou outros objetos como telemóveis.

O modo de atuação é, aliás, revelado numa página de Facebook, "Carteiristas Lisboa / Pickpocket Lisbon", que além de fotografias tem também vídeos que mostram os carteiristas em ação.

As imagens divulgadas nesta rede social comprovam que a esmagadora maioria das vítimas dos carteiristas são turistas estrangeiros. Já foram detetadas ocorrências com turistas nacionais, mas é raro. É, por isso, um tipo de crime que acontece nos locais mais turísticos da capital, como a Baixa, Rossio, Restauradores, junto à estação de comboios, Cais do Sodré e Praça da Figueira.

Os elétricos 15 e 28, que têm uma grande afluência de turistas, estão também na mira dos carteiristas. Há também ocorrências nos autocarros da Carris e nas entradas das estações de metro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.