Promotores imobiliários explicam ação: "Foi anterior ao incêndio"

Segundo Rodrigo Moreira Rato, gestor da Prontohotel e a Quinta do Guincho, a ação foi metida antes do incêndio de 6 de outubro.

Os dois promotores imobiliários, que apresentaram uma ação em tribunal contra a Câmara Municipal de Cascais (CMC), o Estado Português e o Turismo de Portugal, explicam que a mesma não foi colocada na sequência do incêndio do fim de semana que atingiu Sintra e Cascais e que destruiu quase 500 hectares do parque natural. "Foi uma enorme e infeliz coincidência", garantiu ao DN Rodrigo Moreira Rato, gestor da Prontohotel e a Quinta do Guincho,

Segundo soube o DN, a Prontohotel e a Quinta do Guincho colocaram a ação antes do incêndio de dia 6 de outubro, mas o município só foi notificado dia 9 da mesma, três dias após os incêndios. As duas empresas pedem uma indemnização de 13 milhões de euros por danos causados, visto que queriam construir um hotel de 4 estrelas e um campo de golfe em terreno de 40 hectares entre Guincho e Malveira da Serra, precisamente na zona afetada pelos incêndios.

"Metemos a ação antes dos incêndios, foi uma enorme e infeliz coincidência a área ter sido afetada pelos incêndios. Foi uma decisão tomada depois de a Câmara nos comunicar a caducidade das licenças de construção, foi por isso, não foi por causa dos incêndios", explicou ao DN Rodrigo Moreira Rato, garantindo que pretende fazer parte da reconstrução da área ardida: "Tenho imensa pena e tristeza em ver o estado em que ficaram os terrenos, quero mais é participar na reconstrução e ser solução para esta tragédia que aconteceu."

O gestor das empresas garantiu mesmo que já disse isso mesmo a mesmo ao presidente da CMC, mas é preciso entender que as empresas que representa saíram prejudicadas num processo que se arrasta desde 1996:"Falei hoje mesmo com Carlos Carreira e expliquei-lhe o contexto e o timing da ação. Se Cascais considera que neste momento aquele não é um empreendimento turístico que faça sentido, tudo bem, mas é preciso entender que as empresas saíram prejudicadas em todo o processo. "

Rodrigo Moreira Rato mostrou assim abertura para chegar a um acordo e resolver um caso com mais de 22 anos. "A Câmara está a fazer o que acredita ser melhor para proteger os valores para os quais foram eleitos. Quero que se sentem connosco. A expropriação não é algo que me faça confusão, mas tem de ser feita com cabeça. Eu gostava de fazer parte da reconstrução daquela zona natural."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.