Transportes públicos registam cerca de dez mil reclamações em 2017

CP e Metropolitano de Lisboa lideram as queixas

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) recebeu no segundo semestre de 2017 9.847 reclamações, mais 20,7 por cento face ao anterior semestre, com a CP e o Metropolitano de Lisboa a liderar as queixas.

De acordo com o relatório sobre reclamações no mercado público da mobilidade e dos transportes, divulgado esta sexta-feira, do total das queixas, 9.070 dizem respeito a inscrições no livro de reclamações dos diversos operadores e prestadores de serviços e as restantes 777 foram recebidas diretamente na AMT.

As cinco empresas que apresentaram o maior número de reclamações foram a Comboios de Portugal (CP), com 2.214, o Metropolitano de Lisboa (1.205), a Transtejo (608), a Rede Nacional de Expressos (522) e a Carris (349).

Face ao número de reclamações recebidas no segundo semestre de 2017, verificou-se um aumento significativo de mais de 20,7% comparativamente com os primeiros seis meses do mesmo ano.

Este aumento equivale, de acordo com o relatório da AMT, a mais 1.689 reclamações, resultado de vários fatores, nomeadamente do aumento de utentes dos diversos serviços durante o período em análise, de uma maior consciencialização dos direitos dos consumidores e de uma maior facilidade de acesso ao livro de reclamações.

Comparando com o período homólogo de 2016 (segundo semestre), constata-se que existe um decréscimo do número de reclamações, descendo, assim, de 10.289 para 9.847 reclamações.

Ao analisar as reclamações no segundo semestre, por setor de atividade, a AMT conclui que, tal como nos semestres anteriores, os setores ferroviário e rodoviário representam a maioria das reclamações, com 85,1% do total, sendo 38,7% e 46,4%, respetivamente.

Os utentes queixaram-se, sobretudo, dos preços, do sistema de pagamentos e das bilheteiras, da qualidade do atendimento e do atendimento deficiente nos estabelecimentos e no atendimento telefónico, além do exercício da atividade e do exercício da atividade sem licença.

Fora do livro de reclamações foram recebidas diretamente pelos operadores de transporte de passageiros 20.335 reclamações, mais 13% face aos primeiros seis meses de 2017.

A Rede Nacional de Expressos (RNE), com 17,5% das reclamações dos transportes rodoviários de passageiros, lidera a tabela dos três prestadores que apresentam um maior número de reclamações.

A RNE apresenta um acréscimo significativo do número de reclamações face ao primeiro semestre de 2017 (mais 98 reclamações, o que representa um aumento de 23,1%).

Já a Companhia de Carris de Ferro de Lisboa, segunda da lista, com 11,7% das reclamações dos transportes rodoviários de passageiros, registou um decréscimo no número de reclamações face ao primeiro semestre de 2017 (menos 22 reclamações, representando menos 5,9%).

A Transportes Sul do Tejo (TST) apresentou 10,5% das reclamações dos transportes rodoviários de passageiros, o que face, ao semestre anterior, representa um acréscimo no número de reclamações (mais 115 reclamações, representando mais 58,4% no segundo semestre de 2017 em comparação com os seis meses anteriores).

O relatório refere ainda que houve um aumento significativo do número de reclamações contra os operadores de transporte em veículos ligeiros, táxis e plataformas eletrónicas de serviços de transporte, com um total de 106 queixas.

Neste subsetor, nem os prestadores em nome individual, nem as empresas têm estabelecimentos onde fazem atendimento ao público, pelo que não têm obrigação de possuir livro de reclamações.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.