O que diz o contrato que a câmara de Lisboa assinou com Madonna

Além dos 720 euros/mês que Madonna vai pagar pelo estacionamento, o contrato entre a cantora e a câmara de Lisboa estipula que a cedência é a "título muito precário" e "não poderá provocar ruído ou qualquer outra perturbação para o local e para os prédios vizinhos"

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) divulgou o contrato, de 12 cláusulas, que assinou com Madonna para a cedência de utilização do espaço público, o logradouro do Palácio Pombal, situado na Rua das Janelas Verdes, próximo do palacete que a artista adquiriu e que vai entrar em obras. O espaço em causa será para a cantora norte-americana estacionar até 15 viaturas.

Além de ficar estipulado que Madonna vai pagar 720 euros/mês, é referido que a cedência é a "título muito precário podendo cessar a qualquer momento" assim o município pretenda.

De acordo com o documento, é da responsabilidade de Madonna garantir "todas as condições de segurança do local, incluindo a permanência dos portões fechados e um sistema de abertura dos mesmos apenas para a entrada e saída das viaturas".

A cedência é feita "apenas para garantir alternativas de estacionamento durante o tempo em que os particulares tenham os seus imóveis em obras, assim evitando o estacionamento no espaço público"

Madonna "não fica autorizada a aceder ao interior do Palácio Pombal" e o "estacionamento não poderá provocar, em período diurno ou noturno, ruído ou qualquer outra perturbação para o local e para os prédios vizinhos", lê-se no documento assinado a 4 de janeiro de 2018.

A cedência é feita "apenas para garantir alternativas de estacionamento durante o tempo em que os particulares tenham os seus imóveis em obras, assim evitando o estacionamento no espaço público".

"A cedência é feita a título oneroso, por aplicação do previsto na Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais, sendo devida contrapartida mensal no valor de 720 euros a pagar por cada mês de ocupação efetiva"

O contrato estipula que Madonna vai pagar 720 euros por mês.

"A cedência é feita a título oneroso, por aplicação do previsto na Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais, sendo devida contrapartida mensal no valor de 720 euros a pagar por cada mês de ocupação efetiva".

Ficou estipulado que Madonna "deverá manter" o logradouro do Palácio Pombal, "em perfeito estado de asseio, conservação e segurança". "Não são ainda autorizadas quaisquer obras no espaço municipal, salvo ações de mera conservação, depois de devidamente autorizadas pelo Município", assegura o contrato assinado entre a autarquia e a cantora.

Após a ocupação do logradouro do Palácio de Belém, Madonna "não terá direito a qualquer indemnização ou compensação, devendo entregar o espaço desocupado de pessoas e bens e nas mesmas condições que o recebeu".

A cantora está obrigada a "impedir a ocupação por terceiros de todo ou parte do espaço e responsabilizar-se-á por eventuais prejuízos que o Município de Lisboa vier a sofrer"

Fica também estipulado que "em caso algum o Município de Lisboa autoriza a cedência a terceiros, por qualquer forma ou título, e mesmo que parcial" do logradouro do Palácio Pombal.

Na oitava cláusula, Madonna "compromete-se a avisar o Município de Lisboa sempre que tenha conhecimento de que algum perigo ameaça o espaço ou que terceiros se arrogam direitos sobre ele". Aliás, a cantora está obrigada a "impedir a ocupação por terceiros de todo ou parte do espaço e responsabilizar-se-á por eventuais prejuízos que o Município de Lisboa vier a sofrer".

A norte-americana "reconhece" à autarquia "o direito de dar por finda a ocupação, sem direito a qualquer indemnização, sempre que haja incumprimento pela sua parte" ou se "o interesse público assim o exigir".

Madonna "compromete-se a deixar o espaço livre e desocupado no prazo de oito dias úteis, a contar da notificação para o efeito". E caso não desocupe o espaço naquele prazo, "autoriza" a câmara de Lisboa a proceder a essa "desocupação, pela via administrativa e de forma sumária" não responsabilizando a autarquia "por qualquer dano que possa causar aos bens que lá se encontrem renunciando a qualquer indemnização ou compensação por eventuais danos ou descaminho de bens; neste caso, ficará ainda obrigado a indemnizar o Município de Lisboa pelas despesas provocadas", lê-se na 11ª cláusula do contrato. "

Fica ainda firmado que Madonna aceita, "em caso de execução de desocupação coerciva administrativa", que "lhe seja exigido, depois dele, as devidas contrapartidas mensais referentes ao período decorrido entre a data de cancelamento do registo e a data da desocupação efetiva do local".

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.