Metro de Lisboa circulou de porta aberta. Empresa já abriu inquérito

"O comboio evacuou de imediato passageiros no cais da estação Quinta das Conchas, tendo sido isolada a porta, tendo o comboio seguido em circulação de serviço para o término do Rato, tendo, posteriormente, transitado para a oficina."

Uma carruagem do metro de Lisboa andou com uma porta aberta, esta quinta-feira, entre duas estações na Linha Amarela, entre o Rato e Odivelas. O incidente aconteceu na manhã desta quinta-feira na Quinta das Conchas e o momento, captado em vídeo, foi divulgado nas redes sociais.

Entre as 06:00 e as 10:00, o metro esteve encerrado, devido à greve dos trabalhadores. O incidente deu-se depois. No entanto, a empresa garante que "o comboio foi evacuado" na Quinta das Conchas e que o Metropolitano de Lisboa abriu um inquérito para apurar "as causas que estiveram na origem da ocorrência".

Comunicado do Metropolitano de Lisboa

"O Metropolitano de Lisboa confirma a ocorrência que se verificou hoje, às 11h02, que envolveu a avaria de um dos lados da porta do comboio, que circulava na linha amarela, no percurso entre a estação Lumiar e Quinta das Conchas. Antes de partir da estação Lumiar a ocorrência estava aparentemente resolvida, tendo o comboio arrancado.

Às 11h05, após a chegada do comboio à estação Quinta das Conchas, verificou-se que, durante o percurso entre Lumiar e Quinta das Conchas, uma das folhas da porta estava aberta.

O comboio evacuou de imediato passageiros no cais da estação Quinta das Conchas, tendo sido isolada a porta, tendo o comboio seguido em circulação de serviço para o término do Rato, tendo, posteriormente, transitado para a oficina.

O Metropolitano de Lisboa informa ter aberto, de imediato, um inquérito para apuramento das causas que estiveram na origem desta ocorrência."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".