Mais verde e pedonal. Veja como vai ficar a nova Praça de Espanha

Com a transformação do nó rodoviário da Praça de Espanha, Lisboa vai ganhar um novo parque verde, "maior do que o Jardim da Estrela", diz o presidente da Câmara, Fernando Medina

A nova Praça de Espanha vai dar aos lisboetas um novo espaço verde "maior do que o Jardim da Estrela", diz o presidente da Câmara, Fernando Medina. Concorreram nove projetos para a requalificação desta zona da cidade e esta manhã foi anunciado na Fundação Calouste Gulbenkian o vencedor, a NPK - arquitetos paisagistas associados.

A transformação do nó rodoviário da Praça de Espanha contempla a construção de zonas pedonais e de ciclovias, pretende "devolver mais espaço às pessoas" e "tornar mais simples e rápidas" as ligações rodoviárias.

Com a nova Praça de Espanha vai passar a ser possível a ligação direta de quem vem de carro da Avenida de Berna ou António Augusto Aguiar em direção à Avenida de Ceuta.

De acordo com o projeto, Lisboa ganha um novo parque urbano de cinco hectares em articulação com o jardim da Fundação Gulbenkian e corredor verde de Monsanto. Aliás este novo espaço que vai nascer nesta zona da capital recupera a ligação pedonal entre a Gulbenkian e Sete Rios.

Na apresentação em vídeo da nova Praça de Espanha, é referido que esta intervenção vai melhorar a qualidade do ar, diminuir a temperatura ambiente da zona e reduzir o risco de cheias nesta zona da capital.

O vereador do Urbanismo, Manuel Salgado (PS), vai apresentar uma proposta para que o executivo municipal aprove a empreitada para a "rede viária e espaços exteriores da praça de Espanha", com um preço base de 6 milhões e 637 mil euros, com um prazo de dez meses para a execução da obra, mais um ano de manutenção de espaços verdes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.