Madonna dá-se mal com o estacionamento. Já teve problemas em Nova Iorque e Londres

Cantora colocou sinalização ilegal junto à sua casa em Manhattan e colecionou multas na capital inglesa

Para onde quer que vá, Madonna parece ter problemas em estacionar as suas viaturas. Em 2018, o acordo com a Câmara de Lisboa para aparcar os seus carros está a gerar críticas em Portugal, mas em 2016 nos Estados Unidos e em 2005 na Inglaterra a cantora norte-americana já tinha vivido situações que motivaram queixas de vizinhos e a intervenção das autoridades.

Em abril de 2016, a norte-americana foi obrigada a remover placas com a inscrição "Proibido estacionar" que ilegalmente tinha colocado em frente a uma sua propriedade em Manhattan. Na sequência da queixa de um vizinho, o Departamento de Transportes de Nova Iorque notificou, na altura, a cantora para retirar as placas em 30 dias ou seria sujeita a multa. Quando faltavam apenas dois dias para o final do prazo, as placas e também uma linha amarela pintada no chão desapareceram.

Mas Madonna ainda foi para as redes sociais em jeito de crítica aos vizinhos. "Se as pessoas estacionarem na frente, eu não posso entrar na minha garagem! Então, desculpem, a cidade não gosta da cor amarela! Vamos pintar um cinza opaco para manter os vizinhos felizes! Estou a rezar mais três Avé Maria nesta Páscoa por essa transgressão!", escreveu em tom irónico.

Nas placas colocadas em frente ao edifício de quatro andares, que terá custado mais de 35 milhões de euros, Madonna escreveu o aviso de que os veículos que ali estacionassem seriam rebocados, o que seria ilegal, como na altura confirmou o Departamento de Transportes de Nova Iorque, já que aqueles lugares eram públicos.

Mais de 50 multas em Londres

Mas a dificuldade com o estacionamento remonta a 2005, quando a estrela da música pop viveu em Londres, no período em que foi casada com o realizador Guy Ritchie. Nesse ano, Madonna ia duas vezes por semana a um ginásio da capital inglesa, recorrendo sempre a uma das suas viaturas com motorista. Enquanto ia praticar o exercício, o motorista ficava dentro do carro estacionado num local proibido.

Os vizinhos contaram que o motorista ficava sempre com o motor do veículo a trabalhar e andaria para trás e para a frente de forma a estar sempre em movimento, o que não impediu, contudo, que as autoridades atuassem. Os agentes da polícia passaram as multas e foram às dezenas, tendo ultrapassado as 50, de acordo com uma notícia do Daily Mail, de setembro de 2005. O total a pagar rondaria os 3000 euros.

Madonna fez um acordo com a Câmara de Lisboa para poder utilizar um pátio nas traseiras do Palácio Pombal, na rua das Janelas Verdes. O contrato implica o pagamento de 720 euros por mês e permite à cantora estacionar ali 15 viaturas. A oposição municipal já pediu explicações a Fernando Medina sobre este contrato que foi assinado em janeiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.