Lisboa vai ter mais sete ciclovias este ano. E EMEL ganha poderes

Até ao final do ano vão surgir sete novos espaços para circulação prioritária de bicicletas em Lisboa. No total serão investidos cerca de três milhões de euros e a responsabilidade é da EMEL, que passa a gerir a mobilidade da cidade em todas as suas vertentes.

Lisboa vai ter sete novas ciclovias durante este ano num investimento de cerca de três milhões de euros, obras que vão ser da responsabilidade da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, que vai passar a gerir tudo o que diga respeito à mobilidade na cidade, desde parques de estacionamento até às obras para a colocação de carris para o elétrico.

Além de liderar os projetos para a construção de novos espaços para a circulação de bicicletas e o projeto Gira (bicicletas partilhadas), a EMEL vai passar a gerir também toda a rede de semáforos de Lisboa. Ou seja, passa a ter sob a sua alçada o controlo inteligente do tráfego na cidade, a sua análise e previsão. Para cumprir esses objetivos receberá da autarquia liderada por Fernando Medina 8,740 milhões de euros até 2021, sendo 5,460 milhões de euros adjudicados à gestão da rede de semáforos e 3,300 milhões de euros para a construção de ciclovias.

De acordo com os documentos disponíveis no site da AM as novas cicloviasvão surgir nos seguintes locais: Avenidas Novas-Arroios (investimento de 100 mil euros); rede ciclável ocidental (180 mil euros); Alvalade-Av. Gago Coutinho (200 mil euros); Av. Combatentes-Lima Basto (350 mil euros); rede ciclável do Parque das Nações (400 mil euros); rede ciclável complementar Alvalade-Areeiro (850 mil euros); eixo Av. Manuel da Maia-Av. Afonso Costa (um milhão de euros). Há ainda uma verba de 218 mil euros reservada para outros projetos da rede ciclável. No total serão três milhões e 300 mil euros. Atualmente a cidade tem cerca de 90 quilómetros de ciclovias e até 2021 poderá chegar aos 200 quilómetros.

A alteração aos estatutos da EMEL, já prevista no plano de atividades para este ano, que vai possibilitar a transferência destas competências para a empresa, foi votada e aprovada pela câmara municipal no dia 24 de janeiro - com os votos favoráveis de PS, Bloco de Esquerda e dois deputados independentes; contra votaram os deputados do CDS/PP e do PCP e o PPD/PSD optou pela abstenção. Nesta tarde vão ser discutidas e votadas na Assembleia Municipal de Lisboa, o derradeiro passo para que se tornem efetivas.

Com a alteração dos estatutos a EMEL passa a ser a entidade que colocará no terreno as decisões da autarquia relativas à mobilidade em Lisboa e isso inclui a construção de parques de estacionamento, carris para a circulação do elétrico e as ciclovias. Trabalhos que no parecer da Comissão de Transportes, Mobilidade e Segurança da AM fica claro que serão encomendados a empresas externas e não ficarão sob a responsabilidade dos departamentos municipais.

No documento é explicado que a câmara entende que para a realização das tarefas que agora lhe vão ser imputadas a empresa tem como "instrumento contratual mais adequado o contrato de prestação de serviços, na modalidade de mandato, em regime de contratação in house" com recurso "ao mercado".

Neste parecer assinado pela deputada municipal Isabel Pires (Bloco de Esquerda) e pelo presidente da 8.ª comissão António Prôa (PPD/PSD) é ainda explicado que a informação prestada pela câmara não é clara no que diz respeito à passagem dos técnicos que agora trabalham na área da rede de semáforos da cidade para a EMEL, mas pode ler-se que "haverá, com certeza, articulação no trabalho a efetuar nessa área".

PCP quer relatórios sobre obras no metro

A reunião de hoje da Assembleia Municipal de Lisboa inclui ainda na área da mobilidade a discussão e votação de uma proposta assinada pelo deputado independente eleito nas listas do PCP, Fernando Correia, em que é pedido que a AM crie com a empresa Metropolitano de Lisboa um "canal de comunicação" para que seja feito "um acompanhamento permanente" das obras do metro em Lisboa.

Além dessa informação permanente sobre as intervenções, o deputado lembra os problemas que têm surgido com as obras da empresa e pede acesso da assembleia ao nome dos empreiteiros, datas de início e fim das obras nas estações de Arroios, Areeiro, Olivais e Colégio Militar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.