Junta da Estrela quer análise jurídica ao contrato entre Câmara de Lisboa e Madonna

O presidente da Junta de Freguesia da Estrela vai pedir uma análise jurídica ao contrato entre a Câmara de Lisboa e Madonna, com vista à cedência do logradouro do Palácio Pombal para estacionamento.

"Não quero acreditar que haja enfermidades com o contrato estabelecido [entre o município e a artista]", começou por dizer Luís Newton à agência Lusa, à margem da reunião plenária da Assembleia Municipal de Lisboa.

O presidente da Junta da Estrela, freguesia onde se insere o terreno cedido pela Câmara de Lisboa, adiantou que vai "aferir a adequação" do auto de cedência de utilização de espaço municipal, divulgado pelo município na segunda-feira.

Mais concretamente, Luís Newton quer "analisar juridicamente" o contrato, para aferir "se está, de facto, feito à luz do regulamento para os cidadãos de Lisboa".

O documento aponta que o município de Lisboa cede "estacionamento na zona de logradouro do Palácio Pombal, sito na Rua das Janelas Verdes, números 35 a 41", por 720 euros por mês, sendo que não é autorizado, porém, o acesso ao interior do imóvel.

O acordo é datado de 04 de janeiro deste ano, e é assinado pelo diretor Municipal de Gestão Patrimonial, António Furtado.

"O que interessa é que a comunidade não teve acesso às mesmas soluções em termos de estacionamento, que deviam ter sido asseguradas pela Câmara", defendeu o autarca do PSD.

O presidente da junta acusa o executivo liderado por Fernando Medina (PS) de "falta de seriedade" neste processo, alegando que em 2016 pediu uma lista dos espaços que poderiam ser usados para estacionamento, mas "aquele não estava disponível".

"Se o espaço, entretanto, ficou vago, a Câmara devia ter informado a Junta", apontou.

Luís Newton defendeu que "a Câmara Municipal de Lisboa devia ter dito que o espaço devia ser para moradores", acrescentando que, "naquela zona, quaisquer cinco lugares são valiosos, quanto mais 15".

Nos considerandos do documento firmado entre o município e Madonna, a Câmara justificou que "é adequado e conveniente adotar medidas que possam evitar estacionamento abusivo/desordenado na Rua das Janelas Verdes".

No documento é também apontando que "o Palácio Pombal está de momento desocupado e está dotado de um espaço interior que sempre tem vindo a ser utilizado para estacionamento" e, na altura, a Câmara salientava "não ser previsível" vir a "necessitar no curto prazo do espaço em causa".

Uma nota divulgada na segunda-feira pelo município acrescentava que "o valor em causa resulta da aplicação prevista na Tabela de Preços e outras Receitas Municipais, aprovada pela Assembleia Municipal e às quais a Câmara está vinculada, que é usada para calcular o valor a cobrar em todos os contratos similares".

Na nota, a Câmara da capital apontava que "não tem condições para tornar o espaço em apreço num parque de estacionamento definitivo, daí o vínculo precário da cedência que pode ser terminado a qualquer momento".

No sábado, o jornal Expresso noticiou que a Câmara de Lisboa cedeu um terreno à cantora norte-americana, que necessitava de espaço para estacionar 15 viaturas enquanto decorrem obras na casa que adquiriu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.