Freguesias de Lisboa com falta de meios para limpeza urbana

Juntas de freguesia admitem falta de meios para conseguirem que Lisboa responda às questões de higiene urbana, mas também atribuem o problema ao turismo e à falta de civismo da população.

Lisboa tem tido dificuldade em dar resposta às questões de higiene urbana e alguns presidentes de junta admitem existir falta de meios, mas as freguesias atribuem também o problema ao turismo e à falta de civismo da população.

Em declarações à agência Lusa, a presidente da Junta de Freguesia da Misericórdia, no centro da capital, afirmou que a acumulação de lixo "tem sido um problema muito grande" que se intensificou no mês de agosto, devido ao turismo. Além disso, tem notado a diminuição do número de recolhas (uma responsabilidade do município) em algumas zonas da freguesia.

Relativamente à limpeza urbana (varredura e lavagem das ruas), competência da junta de freguesia, Carla Madeira (PS) declarou que a varredura e a lavagem das ruas têm sido insuficientes devido à falta de recursos humanos.

"Eu sinto que nós para termos uma freguesia limpa e 100% apresentável a quem cá reside e a quem a visita precisávamos de ter o dobro da capacidade de varredura, lavagem e despejo de papeleiras", salientou.

Na freguesia de Santa Maria Maior, que engloba os bairros de Alfama, Baixa, Castelo, Chiado e Mouraria, a operação "não funciona sempre bem, nem sempre mal", sendo "uma questão sazonal", contou o presidente desta autarquia.

"Nós temos uma carga diária de visitantes estimada em mais de 250 mil pessoas [...] e, portanto, fomos dimensionados, temos um orçamento e meios para servir uma carga de população muito inferior do que aquela que está agora no terreno", explicou Miguel Coelho (PS).

"Basta haver aqui três grandes eventos, mais os barcos dos cruzeiros atracados, mais o turismo normal tradicional para entrarmos em rutura ou entrarmos em situação de grande dificuldade na resposta", acrescentou.

Também a freguesia de Belém, zona turística da capital, enfrenta "um problema grande" no que toca à recolha de lixo, que nos últimos tempos tem sido "irregular", levando à sua acumulação no espaço público, contou o presidente, Fernando Ribeiro Rosa (PSD).

O autarca destacou como positivo, no entanto, o novo sistema de contentores subterrâneos e avançou que em setembro está previsto que o território da freguesia conte com mais contentores deste tipo.

A presidente da Junta de Freguesia das Avenidas Novas, Ana Gaspar (PS), afirmou que "tem havido algumas queixas", admitindo que o "período de férias é naturalmente um tempo mais difícil para todos". A autarca está ciente da falta de meios para dar resposta às questões de higiene urbana, mas advoga que "mais do que meios", é necessário sensibilizar a população para "comportamentos mais civilizados".

Na freguesia da Estrela, "as reclamações incidem sobretudo no lixo depositado junto aos ecopontos, nas esquinas, em becos e junto a árvores", avançou o presidente da Junta.

De acordo com dados disponibilizados por Luís Newton (PSD), o território da Estrela recebeu 182 queixas no mês de maio, 253 em junho e 171 em julho.

Em Santo António, a junta de freguesia recebe "queixas pontuais de sítios pontuais", pelo que o presidente, Vasco Morgado (PSD), afirmou que não tem tido "um problema assim de maior".

Também o presidente da Junta de Freguesia de Campolide, André Couto (PS), disse não ter grandes problemas relativamente à higiene urbana, sublinhando, no entanto, que "a médio prazo poderá deixar de ser possível" um serviço eficiente devido à crescente pressão do turismo.

Já na zona de Telheiras, onde os moradores se têm queixado de lixo acumulado nas ruas e de falhas na recolha, está prevista a construção de um novo posto de limpeza para ajudar nas tarefas da responsabilidade da Junta (lavagem, varredura e corte de ervas), assim como "apoiar algumas tarefas municipais", anunciou à Lusa o presidente da Junta de Freguesia do Lumiar.

"Em casos em que alguém, inadvertidamente, sem contactar previamente a câmara, faz a colocação de um resíduo [mono], é muito mais fácil sermos nós a fazê-lo [retirar o resíduo]" por uma questão de proximidade, exemplificou Pedro Delgado Alves (PS).

O movimento cívico Fórum Cidadania Lx solicitou no passado mês de junho uma reunião com o executivo municipal, pedindo "melhorias urgentes e em larga escala" relativamente à higiene urbana na cidade. Há dois anos, o movimento já havia manifestado desagrado, mas sublinha que continua a haver contentores abandonados, "quase sempre imundos", bem como "proliferação de grafitos agressivos" e ainda uma "absoluta falta de fiscalização e aplicação de sanções" aos infratores.

A Lusa contactou a Câmara de Lisboa, de maioria socialista, por várias vezes nas últimas semanas, mas não conseguiu obter qualquer esclarecimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.