CDS-PP propõe linha de apoio e "brigada de emergência" para combater lixo em Lisboa

A vereação do CDS-PP vai apresentar um programa que integra medidas como uma linha telefónica para os munícipes denunciarem situações de lixo descontrolado e também recolhas mais frequentes nos "sítios críticos" da cidade.

Assunção Cristas, líder do CDS e vereadora na câmara de Lisboa, criticou esta quarta-feira a ação da autarquia na remoção do lixo acumulado pela cidade e anunciou que o partido vai apresentar "muito brevemente" um pacote de medidas, que vai incluir "uma linha de apoio para quando se identifica uma situação de lixo descontrolado" e "brigadas de emergência".

Falando aos jornalistas no Largo da Rosa, depois de um périplo para identificar as zonas da cidade onde o lixo está acumulado, Assunção Cristas referiu que "Lisboa neste momento tem uma grande pressão turística, o que significa que é preciso, em determinadas zonas, uma intensificação do trabalho [de recolha de resíduos urbanos] e uma reorganização dos serviços camarários, em diálogo com as juntas [de freguesia]".

Por isso, o CDS-PP vai apresentar "muito brevemente" um "programa integrado" e que "passará por uma linha de apoio, para que quando se identifica uma situação de lixo descontrolado possa haver um alerta de modo a que a equipa [de recolha de resíduos urbanos] possa ir remover o lixo", além de "brigadas de emergência" para passarem com frequência "pelos sítios críticos da cidade".

"Temos neste momento uma cidade muito suja, completamente desleixada, em muitos casos parece uma lixeira a céu aberto", vincou, apontando para a rua que "está com ar de que não é lavada há meses, os 'graffiti' continuam na pedra, nos azulejos, nas paredes dos edifícios".

Assunção Cristas também teceu críticas ao executivo liderado por Fernando Medina (PS) e considerou que "o que está a ser feito não chega".

Questionada sobre anúncio feito na terça-feira pelo vereador das Finanças do município da capital, João Paulo Saraiva, no qual o município da capital admitiu contratar mais funcionários para combater a acumulação de lixo na cidade, a vereadora disse esperar "que se concretize".

"Se for verdade, ainda bem", considerou, mas lembrou, contudo, que já tinham sido anunciadas medidas para melhorar a higiene urbana que ainda não se concretizaram.

"Infelizmente já ouvimos muitas notícias, nomeadamente há um ano, na campanha [para as eleições autárquicas em 01 de outubro de 2017] que se traduziram em nada", afirmou.

Quase um ano depois, a líder do CDS-PP referiu que "a cidade está igual ou pior no que toca a matéria de higiene urbana" e que o partido vai continuar a lutar pelo aumento do número de recolhas de lixo "pressionando Fernando Medina e a sua equipa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.