CDS e Madonna: Medina tem "lesados e beneficiados" e Robles "é corresponsável"

Vereador do CDS acusa presidente da Câmara de ter dois pesos e duas medidas."Medina é forte com os fracos e fraco com os fortes"

O caso dos 15 lugares de estacionamento disponibilizados a Madonna pela EMEL a pedido de Fernando Medina continua a merecer contestação. Desta vez, é o vereador centrista, num vídeo na sua página de Facebook, a revelar que nenhum vereador da câmara sabia deste processo, mesmo porque o assunto não foi levado a debate em reunião da autarquia. Um contrato verbal que estabelece que a cantora paga 720 euros/mês pelos 15 lugares nas Janelas Verdes e que, diz João Gonçalves Pereira, gera enormes dúvidas quanto à legalidade.

"Durante dois anos, Fernando Medina tornou a cidade num inferno", afirma o vereador centrista, que acusa o presidente da CML de agir "em claro desrespeito pelos lisboetas" e sublinha que a mesma EMEL "obriga os lisboetas a pagar estacionamento antes de poderem usufruir do mesmo" e obriga os moradores a "enfrentar um pesadelo burocrático por dístico" cede 15 lugares a Madonna. E conclui: "Não pode haver lesados e beneficiados de Medina. Não pode haver na CML dois pesos e medidas. Medina não pode ser forte com os fracos e fraca com os fortes."

João Gonçalves Pereira explica que "nenhum dos vereadores da câmara sabia desta situação" e lamenta que Medina "confunda meios públicos e privados" , prescindindo mesmo de levar o tema a reunião de CML, onde devia ter sido discutido. E acusa ainda o BE de, sendo corresponsável, "assobiar para o lado". "Ricardo Robles integra este Executivo", frisa o vereador centrista, pedindo maior transparência e uma Câmara "que seja amiga e não contra os lisboetas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.