CDS e Madonna: Medina tem "lesados e beneficiados" e Robles "é corresponsável"

Vereador do CDS acusa presidente da Câmara de ter dois pesos e duas medidas."Medina é forte com os fracos e fraco com os fortes"

O caso dos 15 lugares de estacionamento disponibilizados a Madonna pela EMEL a pedido de Fernando Medina continua a merecer contestação. Desta vez, é o vereador centrista, num vídeo na sua página de Facebook, a revelar que nenhum vereador da câmara sabia deste processo, mesmo porque o assunto não foi levado a debate em reunião da autarquia. Um contrato verbal que estabelece que a cantora paga 720 euros/mês pelos 15 lugares nas Janelas Verdes e que, diz João Gonçalves Pereira, gera enormes dúvidas quanto à legalidade.

"Durante dois anos, Fernando Medina tornou a cidade num inferno", afirma o vereador centrista, que acusa o presidente da CML de agir "em claro desrespeito pelos lisboetas" e sublinha que a mesma EMEL "obriga os lisboetas a pagar estacionamento antes de poderem usufruir do mesmo" e obriga os moradores a "enfrentar um pesadelo burocrático por dístico" cede 15 lugares a Madonna. E conclui: "Não pode haver lesados e beneficiados de Medina. Não pode haver na CML dois pesos e medidas. Medina não pode ser forte com os fracos e fraca com os fortes."

João Gonçalves Pereira explica que "nenhum dos vereadores da câmara sabia desta situação" e lamenta que Medina "confunda meios públicos e privados" , prescindindo mesmo de levar o tema a reunião de CML, onde devia ter sido discutido. E acusa ainda o BE de, sendo corresponsável, "assobiar para o lado". "Ricardo Robles integra este Executivo", frisa o vereador centrista, pedindo maior transparência e uma Câmara "que seja amiga e não contra os lisboetas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.