Câmara e ANA dizem que não residentes nunca pagaram taxa de aeroporto

A Câmara Municipal de Lisboa nega a cobrança de um euro aos passageiros não residentes que aterraram no aeroporto da capital. E a ANA Aeroporto de Portugal assegura que não existe taxa. Isto porque Comissão Europeia exigiu o fim da diferenciação entre lisboetas e não lisboetas

"Por razões operacionais a taxa municipal de chegadas ao aeroporto nunca foi liquidada a nenhum passageiro", informou ao DN a assessoria da Câmara Municipal de Lisboa (CML). O que é confirmado pelos representantes da ANA, salientando que a empresa não tem qualquer relação comercial com os viajantes e não faria sentido tal cobrança à saída do avião.

A chamada taxa de aeroporto (ou turística) foi aprovada pela autarquia em dezembro de 2014, ainda na presidência de António Costa, para entrar em vigor a partir do dia 1 de abril de 2015. Previa a cobrança de um euro aos turistas que aterrassem no aeroporto de Lisboa.

Dois dias antes do início da aplicação da taxa, a 30 de março e, perante a dificuldade na cobrança, acabaria por ser assinado um protocolo entre os responsáveis da CML e da ANA, em que esta última entidade, "enquanto responsável pela liquidação, arrecadação, controle e fiscalização desta taxa", assumia o seu pagamento até ao final de 2015, "não havendo assim liquidação individualizada».

ANA entregou mais de 3 milhões de euros

O valor acordado foi entre 3,6 e 4,4 milhões de euros.

Um ano depois, o presidente da ANA, Jorge Ponce Leão, foi chamado ao Parlamento, à comissão de Economia e Obras Públicas, para explicar tal acordo. Justificou a 6 de maio de 2016: "Qualquer solução implementada diretamente pela ANA teria implicações no normal fluxo de chegadas criando embaraços e delongas aos passageiros e um nível de serviço aeroportuário inaceitável, com consequências imprevisíveis na competitividade do destino".

A ANA terá encerrado o assunto, que voltou à baila esta quinta-feira quando a Comissão Europeia ameaçou a CML com os tribunais se continuasse a aplicar uma taxa à entrada do aeroporto aos passageiros não residentes, por ser ilegal "discriminar em razão da nacionalidade".

A autarquia reagiu negando a cobrança da taxa e a ANA manifestou surpresa pela iniciativa da Comissão, três anos depois da sua aprovação.

Taxa faz parta da tabela da autarquia e vai ser retirada

"A Aeroportos de Portugal manifesta a sua surpresa perante o parecer da Comissão Europeia relativo a uma "taxa do aeroporto de Lisboa" que distinga os passageiros residentes e os não residentes na medida em que no Aeroporto de Lisboa não existe nenhuma taxa que diferencia passageiros residentes e não residentes", disse em comunicado. E sublinhou: "As taxas são aprovadas pela Autoridade Nacional da Aviação Civil enquanto regulador e cumprem integralmente com o enquadramento regulatório aplicável. A ANA irá averiguar o conteúdo do parecer, e até que tal aconteça não saberemos esclarecer se poderá ser potencialmente uma referência a outras taxas eventualmente aplicadas por outras entidades em Lisboa."

Entretanto, o gabinete de Fernando Medina esclareceu que a taxa embora não tenha sido aplicada faz parta da tabela da autarquia e que vai ser retirada da lista na apresentação do próximo Orçamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.