Câmara contesta ação administrativa do MP sobre "mono do Rato"

Em causa está um projeto concebido pelos arquitetos Manuel Aires Mateus e Frederico Valsassina, que prevê a construção de um hotel perto da sinagoga

A Câmara Municipal de Lisboa contestou a ação administrativa proposta pelo Ministério Público (MP) para declarar nulo o licenciamento da construção do edifício conhecido como "mono do Rato", segundo documentação a que a agência Lusa teve acesso.

Na contestação, entregue em 04 de julho no Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa, o município argumenta que o MP tinha um ano para impugnar o ato administrativo, tendo violado esse prazo.

Quando o MP "interpôs a presente ação de impugnação, em 25/05/2018, há muito que se encontrava, quanto a este ato, caducado o seu direito de ação", lê-se no documento.

A contestação realça que "o direito à ação anulatória contra atos anuláveis, quando intentada pelo Ministério Público, caduca no decurso do prazo de um ano sobre a prática do ato".

Em maio, a Procuradoria-Geral da República (PGR) anunciou que o Ministério Público pediu ao Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa para declarar nulo o licenciamento da construção do polémico edifício conhecido como "mono do Rato".

"O Ministério Público propôs [...] uma ação administrativa cujo pedido principal consiste na declaração de nulidade do ato de licenciamento de obra de construção situada no 'gaveto' formado pela Rua do Salitre, Rua Alexandre Herculano e Largo do Rato, em Lisboa", referia a nota divulgada pela PGR.

Em causa está um projeto concebido pelos arquitetos Manuel Aires Mateus e Frederico Valsassina, que prevê a construção de um hotel perto da sinagoga. O licenciamento foi aprovado em 2005 e deferido em 2010, sempre envolto em polémica.

Na sua decisão, o Ministério Público considerou "questões jurídicas relacionadas com a insuscetibilidade de afetação do edifício à atividade hoteleira, a reconversão do espaço público, o acentuar do isolamento da vizinha sinagoga, bem como matéria respeitante à acessibilidade de pessoas com deficiência e mobilidade reduzida".

A ação é fundamentada, sobretudo, nas "várias nulidades de que padece a mencionada licença" e foi "proposta contra o município de Lisboa, tendo como parte contrainteressada a promotora da obra", na sequência do início de trabalhos no local, "perante notícias da comunicação social sobre a matéria e, uma vez conhecidas, as alegações da iniciativa pública 'Todos contra o mono do Rato'".

Esta iniciativa, sem interlocutores conhecidos pela comunicação social, é apresentada na Internet, incluindo nas redes sociais, como um "movimento cívico que pretende impedir a construção" do que descreve como "crime urbanístico".

Entretanto, o promotor da obra endereçou uma carta ao Presidente da República em que dá conta do caso e demonstra uma "enorme perplexidade e preocupação com a atuação" do MP.

A carta, assinada pelo advogado que representa a Aldiniz, Nuno Pinto Coelho de Faria, alega que a ação administrativa teve "efeitos catastróficos pelo embargo que já deu azo" e que está "assente em flagrantes indícios de ilegalidade".

O advogado pede então a Marcelo Rebelo de Sousa que interceda junto da procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, no sentido de "solicitar esclarecimentos sobre aquilo que se consideram serem práticas que consubstanciam uma privatização e sequestro por interesses inconfessáveis e difusos da atuação do Ministério Público".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)