Bicicletas partilhadas de Lisboa ultrapassam um milhão de viagens

Em 2019, os primeiros 45 minutos de viagem continuarão a ser gratuitos

As bicicletas partilhadas da rede Gira já contabilizaram mais de um milhão de viagens e há atualmente mais de 19 mil "passes anuais ativos", segundo a EMEL -- Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa.

"As Gira já efetuaram mais de 1.120.000 viagens, tendo neste momento 19.200 passes anuais ativos, três mil passes mensais e 8.800 passes diários vendidos", especifica a nota enviada às redações.

A EMEL também adianta que vai manter a "oferta de 45 minutos de viagem" para os utilizadores que adquiram passes anuais ou mensais.

O passe anual custa 25 euros por ano e é "válido por 365 dias contados a partir do dia da subscrição do serviço", mas apenas pode ser adquirido pelos residentes em Portugal.

A Gira oferece também a opção de um passe mensal, que tem um custo de 15 euros e validade de 30 dias. Também este serviço só está acessível a residentes em território nacional.

Já o passe diário custa dois euros e é válido por 24 horas, mas pode ser utilizado por residentes em Portugal ou no estrangeiro.

A Gira - Bicicletas de Lisboa entrou em funcionamento em setembro de 2017, tendo havido um período de testes anteriormente, que começou em junho.

Num balanço feito à agência Lusa no final de outubro, a EMEL dava conta de que estavam disponíveis 400 bicicletas e 74 estações nas zonas do Parque das Nações, Alvalade, Campo Grande, Avenidas Novas, Marquês de Pombal, Avenida da Liberdade, Telheiras, Areeiro, Baixa e frente ribeirinha.

Apresar de o último alargamento da rede de bicicletas Gira ter sido em junho, "a intenção da EMEL é fazer tudo o que está ao seu alcance para avançar com o plano previsto de instalação das Gira, com a maior brevidade", indicou a empresa na altura.

"Estão também planeadas novas instalações na cidade, que representam na sua maioria um aumento de densidade das áreas já servidas, mas também o prolongamento da rede de estações desde Santa Apolónia até ao limite poente do concelho, em Algés", acrescentou a EMEL em outubro.

Em avaliação estaria também a extensão para as Amoreiras, Avenida Almirante Reis, Olivais ou a ligação entre o Campo Grande e o parque dissuasor da Ameixoeira.

No geral, a EMEL fez um balanço "muito positivo" do primeiro ano da rede Gira, que inclusivamente "superou as expectativas".

"A comprová-lo os níveis de utilização verificados, que são iguais ou superiores a muitos dos sistemas mais maduros e bem-sucedidos internacionalmente, como por exemplo Paris, Londres ou Barcelona", foi referido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.