CDS-PP propõe linha de apoio e "brigada de emergência" para combater lixo em Lisboa

A vereação do CDS-PP vai apresentar um programa que integra medidas como uma linha telefónica para os munícipes denunciarem situações de lixo descontrolado e também recolhas mais frequentes nos "sítios críticos" da cidade.

André Campos Ferrão
Assunção Cristas diz que o que está a ser feito em Lisboa para evitar a acumulação de lixo "não chega"© Rodrigo Antunes / Lusa

Assunção Cristas, líder do CDS e vereadora na câmara de Lisboa, criticou esta quarta-feira a ação da autarquia na remoção do lixo acumulado pela cidade e anunciou que o partido vai apresentar "muito brevemente" um pacote de medidas, que vai incluir "uma linha de apoio para quando se identifica uma situação de lixo descontrolado" e "brigadas de emergência".

Falando aos jornalistas no Largo da Rosa, depois de um périplo para identificar as zonas da cidade onde o lixo está acumulado, Assunção Cristas referiu que "Lisboa neste momento tem uma grande pressão turística, o que significa que é preciso, em determinadas zonas, uma intensificação do trabalho [de recolha de resíduos urbanos] e uma reorganização dos serviços camarários, em diálogo com as juntas [de freguesia]".

Por isso, o CDS-PP vai apresentar "muito brevemente" um "programa integrado" e que "passará por uma linha de apoio, para que quando se identifica uma situação de lixo descontrolado possa haver um alerta de modo a que a equipa [de recolha de resíduos urbanos] possa ir remover o lixo", além de "brigadas de emergência" para passarem com frequência "pelos sítios críticos da cidade".

"Temos neste momento uma cidade muito suja, completamente desleixada, em muitos casos parece uma lixeira a céu aberto", vincou, apontando para a rua que "está com ar de que não é lavada há meses, os 'graffiti' continuam na pedra, nos azulejos, nas paredes dos edifícios".

Assunção Cristas também teceu críticas ao executivo liderado por Fernando Medina (PS) e considerou que "o que está a ser feito não chega".

Questionada sobre anúncio feito na terça-feira pelo vereador das Finanças do município da capital, João Paulo Saraiva, no qual o município da capital admitiu contratar mais funcionários para combater a acumulação de lixo na cidade, a vereadora disse esperar "que se concretize".

"Se for verdade, ainda bem", considerou, mas lembrou, contudo, que já tinham sido anunciadas medidas para melhorar a higiene urbana que ainda não se concretizaram.

"Infelizmente já ouvimos muitas notícias, nomeadamente há um ano, na campanha [para as eleições autárquicas em 01 de outubro de 2017] que se traduziram em nada", afirmou.

Quase um ano depois, a líder do CDS-PP referiu que "a cidade está igual ou pior no que toca a matéria de higiene urbana" e que o partido vai continuar a lutar pelo aumento do número de recolhas de lixo "pressionando Fernando Medina e a sua equipa".