Adrià vai cozinhar em Lisboa

O momento é especial e irrepetível, reservado a duas dezenas de pessoas: dois chefs Michelin a cozinhar a quatro mãos no Loco de Alexandre Silva

É no número 53B da Rua dos Navegantes, na Estrela, que todos os astros vão alinhar-se para receber dois génios da cozinha. Dois chefs que o Guia Michelin põe entre os melhores do mundo vão cozinhar lado a lado para apenas 20 pessoas, num jantar que se prevê irrepetível.

Esta noite especialíssima acontecerá a 4 de agosto, no Loco, cuja cozinha Alexandre Silva partilhará então com Albert Adrià. O evento acontece na sequência de um hábito de luxo aqui criado pelo chef português, que já levou ao Loco de Lisboa nomes de peso mundial como Dominique Crenn, Diego Guerrero, Daniel Burns e Pedro Pena Bastos.

"Decidimos que este ano queríamos fazer só um jantar, mas teria de ser com uma figura que tivesse uma grande influência para mim e para a cozinha mundial", explica o chef. "Sendo o Albert um criativo por natureza, com um percurso notável, foi uma escolha óbvia", até porque a correspondência com o ADN criativo do Loco ronda os 100%. As "conversações" arrancaram no início de 2018 e tudo tem sido "muito fácil: o Albert é um profissional muito acessível e prático, o que ajuda muito neste processo", conta Alexandre Silva.

Irmão de Ferran e depois de estar ao seu lado no El Buli e no Enigma, em Barcelona, Albert Adrià é um dos mais reconhecidos cozinheiros da sua geração. Neste momento integra o ElBarri, projeto gastronómico composto por seis diferentes restaurantes, todos na mesma zona de Barcelona. Em 2013, a Time considera-o uma das 13 principais figuras no universo da alimentação e da gastronomia, no mesmo ano em que recebe uma Estrela Michelin para o Tickets, e outra para o 41º Experience (que encerraria no ano seguinte). Em 2014, mais uma Estrela Michelin, desta vez para o Pakta e, em 2015, é a vez do Hoja Santa passar a figurar no Livro Vermelho. No ano passado, foi o Enigma a conquistar a sua primeira Estrela. Em 2015, a revista Restaurant elege-o como melhor chef pasteleiro do mundo e este ano recebeu o Prémio Nacional de Gastronomia, em Espanha, como melhor chef de cozinha.

Para esta união de criatividade ibérica, o menu ainda está a ser definido, mas sabe-se já que será dada primazia ao que é nacional, com Alexandre Silva a enviar "uma listagem de produtos que temos em Portugal nesta época do ano" e Albert a fazer chegar "algumas sugestões do que gostava de fazer por cá". O resultado será um casamento entre as ideias e a técnica do cozinheiro convidado, o produto português da época e o ambiente criativo, confortável e desconcertante do Loco.

A fazer as honras da casa, Alexandre Silva não acusa pressão quanto à presença de mais um estranho na sua cozinha. "Os jantares do ano passado deram-nos bastante rodagem e trouxeram-nos muito conhecimento útil nesse momento de partilha e criação conjunta", diz. Quando a Adrià, "quero mostrar que Portugal e os portugueses têm muito para dar. Quero levá-lo à pesca, ao campo, vamos ter muito para fazer".

O jantar no Loco, dia 4 de agosto, tem o valor de 250 euros, com bebidas incluídas, e arranca às 20.00. Para garantir uma reserva há que correr para o telefone (213 951 861) ou escrever para reservas@loco.pt. A reservas já abriram!

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.