"O Príncipe de Homburgo" em cena a partir de dia 7

O Teatro de Carlos Alberto (TCA), no Porto, apresenta a partir de sexta feira "O Príncipe de Homburgo", a última peça de Heinrich von Kleist encenada por António Pires e Luísa Costa Gomes.

"O Príncipe de Homburgo" estreou no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, em Fevereiro, sendo interpretado por Graciano Dias, João Araújo, João Barbosa, João Ricardo, Luísa Cruz, Marcello Urgeghe, Margarida Vila-Nova e Mário Redondo.

Esta peça, uma co-produção da Ar de Filmes, do Centro Cultural de Belém, estará em cena até ao dia 16.

Considerada por Kleist um "drama patriótico", a obra concluída há duzentos anos foi escrita numa Prússia ocupada pelo exército napoleónico.

"Nesta peça, o Príncipe de Homburgo, a sonhar com a glória, vai, sonâmbulo, até ao jardim do palácio e entrança uma coroa de louros que põe na cabeça. O Eleitor do Brandeburgo encontra o príncipe e impõem-lhe a coroa, surgindo consequências inesperadas desta inócua brincadeira", refere, em comunicado, fonte do Teatro Carlos Alberto.

No âmbito desta apresentação, decorrerá no TCA, sábado, uma mesa redonda sobre Kleist e a sua obra.


Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?